Ouvir jogos de futebol enquanto se dirige é "perigoso"--estudo

quarta-feira, 27 de maio de 2009 10:58 BRT
 

LONDRES (Reuters) - Ouvir as transmissões de jogos de futebol no rádio enquanto se dirige pode ser perigoso, expondo os motoristas ao risco de acidentes durante os momentos emocionantes das partidas, de acordo com uma pesquisa publicada nesta quarta-feira.

O estudo feito pelos cientistas da Universidade de Leicester, na Inglaterra, descobriu que gols, pênaltis e cartões vermelhos fazem com que os motoristas percam a concentração e dirijam com menos cuidado.

De acordo com o estudo, dois milhões de motoristas sofreram acidentes ou escaparam por pouco enquanto ouviam transmissões esportivas no rádio.

"É bastante aceito que se distrair ao conversar segurando o celular pode causar acidentes, mas outras atividades podem ter o mesmo impacto -- como ouvir jogos no rádio", disse o professor Michael Pont.

"Os resultados que obtemos sugerem que, particularmente durante situações de alta tensão nos jogos, há um impacto bastante marcado no comportamento dos indivíduos deste estudo", acrescentou.

A pesquisa, que estudou o comportamento de participantes em uma simulador, descobriu que torcedores de futebol podem correr ou reduzir a velocidade de repente, ultrapassar e chegar mais perto de outros veículos enquanto acontecem as partidas.

Um motorista, torcedor do Chelsea, reagiu acelerando e trocando de faixa frequentemente para ultrapassar após a expulsão de um jogador do Barcelona durante um jogo entre os dois clubes.

O comportamento dos torcedores de futebol atrás do volante é muito diferente do comportamento do ouvinte casual, que é mais constante, segundo o estudo.

A pesquisa, publicada para coincidir com a final da Liga dos Campeões entre Manchester United e o Barcelona nesta quarta-feira, dá conselhos àqueles que planejam ouvir jogos no carro.

"Conclui-se que, quando possível, os torcedores de futebol devem pedir que alguém dirija durante jogos importantes como a final da Liga dos Campeões", afirmou Pont.

(Reportagem de Michael Holden)