Economia não deve decidir sede de Jogos-2016, diz chefe do COI

terça-feira, 16 de junho de 2009 16:56 BRT
 

Por Karolos Grohmann

LAUSANNE (Reuters) - A economia ou a projeção de um aumento de receitas não deve ser o fator decisivo na escolha do Comitê Olímpico Internacional (COI) sobre a sede dos Jogos de 2016, disse nesta terça-feira o presidente do órgão.

Um dia antes da penúltima apresentação das candidatas Madri, Chicago, Tóquio e Rio de Janeiro aos membros do COI, o chefe do comitê, Jacques Rogge, disse que o tratamento aos atletas deve ser a principal prioridade.

"Eu compartilho a visão... de que a economia não deve orientar nossa decisão", disse Rogge a repórteres. "No passado nós não íamos necessariamente à cidade mais rica, e eu acho que nós estávamos certos assim."

"Em primeiro lugar está o cuidado com os atletas. Os jogos são para o atleta... não para outra meta superior", afirmou Rogge.

As quatro cidades vão se apresentar na quarta-feira a cerca de 90 membros do COI em Lausanne. Em outubro, o comitê se reúne em Copenhague para decidir a cidade-sede após mais uma breve defesa das candidatas.

Rogge também descartou que a cidade vitoriosa seja decidida por um rodízio geográfico ou alguma outra razão política.

"Eu não me inclino por considerações geopolíticas. Não é a economia que importa, mas sim um legado sustentável", afirmou.

O Rio tem enfatizado que os Jogos nunca foram para a América do Sul, e defensores da candidatura de Chicago afirmam que em 2016 os Estados Unidos já estarão há 20 anos sem receber as Olimpíadas.   Continuação...

 
<p>Chefe do Comit&ecirc; Ol&iacute;mpico Internacional, Jacques Rogge, disse que a economia n&atilde;o deve decidir sede dos Jogos Ol&iacute;mpicos de 2016. REUTERS/Ruben Sprich</p>