Jenson Button pode virar o jogo contra Vettel na Alemanha

quarta-feira, 8 de julho de 2009 15:30 BRT
 

Por Alan Baldwin

LONDRES (Reuters) - O piloto britânico Jenson Button poderá se vingar do alemão Sebastian Vettel, da Red Bull, no Grande Prêmio da Alemanha dentro do país do concorrente no fim de semana, e de quebra recuperar algum prestígio para a Mercedes.

O piloto da Brawn GP, líder do campeonato, perdeu em casa para o piloto alemão de 22 anos em Silverstone, no mês passado, e está louco para dar o troco no único piloto da temporada que venceu corridas além do próprio Button.

"Minha última tarefa em Silverstone mostrou que o ritmo do carro é de fato competitivo, então estamos confiantes de que podemos virar o jogo nessa corrida", disse o britânico, que está 23 pontos à frente do companheiro de equipe Rubens Barrichello e 25 pontos à frente de Vettel na classificação do campeonato.

A corrida de Nuerburgring marca o meio do campeonato; é o nono de um total de 17 grandes prêmios e é a casa da Mercedes, que tem sede em Stuttgart, e da BMW.

A Mercedes ganhou na Alemanha com a McLaren nas duas últimas temporadas -- em Hockenheim, no ano passado, e em Nuerburgring, em 2007 --, mas este ano é diferente.

O campeão mundial Lewis Hamilton, da McLaren, marcou somente nove pontos e a equipe não pontuou nas últimas quatro corridas, na pior fase da equipe desde 1980-1981.

Button venceu seis das primeiras sete corridas do campeonato, mas o público alemão torce para que Vettel se torne o primeiro piloto de origem alemã a vencer em casa desde que Michael Schumacher se aposentou em 2006.

Vettel está mais determinado do que nunca para sua primeira corrida de Fórmula 1 em Nuerburgring.

"Eu diria que é como uma partida de futebol quando você joga em casa", disse ele ao site da equipe Red Bull. "Você sempre dá 100 por cento, mas numa corrida em casa você fica ainda mais motivado porque se sente confortável."

 
<p>Jenson Button, da Brawn GP, em foto de arquivo, pode virar o jogo contra Sebastian Vettel no GP da Alemanha. REUTERS/Nigel Roddis</p>