12 de Julho de 2009 / às 20:03 / em 8 anos

Verón espera que seu filho o imite na Libertadores

<p>Juan Sebastian Veron, do Estudiantes de La Plata. 11/07/2009. REUTERS/Enrique Marcarian</p>

Por Luis Ampuero

BUENOS AIRES (Reuters) - O pai do argentino Juan Sebastián Verón, la “Bruja” Ramón Verón, confia que seu filho repetirá sua história com o Estudiantes de La Plata na Copa Libertadores da América, na decisão de quarta-feira pelo título da competição contra o Cruzeiro, no Brasil.

Unidos pelo sentimento do mesmo uniforme, Ramón Verón fez história quando em 1968/69 e 1970 conseguiu ganhar consecutivamente a Copa Libertadores, um legado que agora pretende continuar com seu filho Sebastián.

“Estou orgulho pelo que vem fazendo Sebastián”, afirmou Verón pai, em entrevista para a Reuters.

“Oxalá ele e seus companheiros possam repetir a história que conseguimos há muitos anos”, acrescentou, enquanto espiava por trás do alambrado o treino de seu filho no campo do Estudiantes, que busca seu quarto título sulamericano.

Na quarta-feira, o Estudiantes jogará uma partida difícil no Brasil, onde tem que ganhar para conquistar o título, após empatar sem gols na partida de ida semana passada.

“Todos estávamos confiantes de que iam vencer, mas o triunfo não veio, mas ainda temos esperança de uma vitória lá (no Brasil”, explicou Ramón, que jogou 297 partidas pelo Estudiantes --entre elas, quatro finais de Libertadores-- e marcou 77 gols.

Sebastián, atual ídolo do Estudiantes, afirmou na semana passada que estava realizando um sonho na Argentina depois de passar pelo futebol europeu.

“Ele voltou para alguma coisa e está conseguindo, ganhou um título na Argentina, jogou a final da Copa Sulamericana (que perdeu para o Internacional, do Brasil) e isso é o mais importante”, afirmou Ramón.

“Sebastián cumpriu uma etapa quando jogou na Inglaterra e claro que essa experiência européia lhe serve neste momento”, acrescentou.

Sobre o jogo no Brasil, Verón pai, de 65 anos, reconheceu que o Cruzeiro é um time muito difícil, mas não imbatível.

“Vai ser um jogo difícil, duro, complicado, mas não há nada decidido, porque pode terminar na prorrogação ou não,” explicou.

O ex-atacante do Estudiantes disse que conversa sempre com Sebastián e que seu filho não está ansioso para o jogo decisivo.

“Ele está tranquilo e esperando o que todos esperamos: conseguir um bom resultado, ainda que no futebol é sempre bom esperar para ver o que vai acontecer”, disse.

Ramón Verón lembrou das finais da Libertadores que disputou com o Estudiantes e disse que a que lembra mais foi a primeira que jogou em 1968 contra o Palmeiras, quando sua equipe ganhou por 2 x 1 em La Plata, perdeu por 3 x 1 em São Paulo e venceu novamente por 2 x 0 na partida decisiva em Montevidéu, no Uruguai.

“Lembro dessa Copa não apenas por causa dos gols que marquei mas também porque foi a primeira que joguei,” destacou.

Antes de deixar o campo de treinamento, Verón pai cumpriu com seu dever e autografou com paciência várias camisas de torcedores que nunca o viram jogar, mas sonham com que seu filho continue a história e leve mais uma Copa para as vitrines do Estudiantes.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below