Saída da BMW da F1 poderia ter sido evitada, diz FIA

quarta-feira, 29 de julho de 2009 12:39 BRT
 

Por Alan Baldwin

LONDRES (Reuters) - A saída da BMW da Fórmula 1 poderia ter sido evitada se alguns chefes de equipe tivessem sido menos resistentes ao corte de custos na categoria, disse a Federação Internacional de Automobilismo (FIA) nesta quarta-feira.

Em comunicado, a FIA expressou sua tristeza, mas não surpresa, pela decisão da montadora alemã de deixar a F1 ao final da temporada 2009.

"Está claro há algum tempo que o automobilismo não pode ignorar a crise econômica global", disse a FIA, após a BMW ter anunciado que deixará a Fórmula 1 como equipe e como fornecedora de motores.

"As montadoras de automóveis não podem continuar colocando largas quantias de dinheiro na Fórmula 1 se suas sobrevivências dependem do fechamento de fábricas e do apoio dos contribuintes", acrescentou a FIA.

"É por isso que a FIA propôs regulamentos para reduzir drasticamente os custos... Se essas regras não tivessem sido recusadas por vários chefes de equipe, a saída da BMW e outros anúncios futuros poderiam ter sido evitados."

A decisão da BMW, tomada numa reunião da diretoria apenas na terça-feira, acontece no momento em que as equipes estão prestes a assinar um novo acordo comercial que obrigará a permanência das escuderias na F1 até 2012.

A saída também acontece após uma desentendimento entre a Federação Internacional de Automobilismo (FIA) e oito equipes que quase decidiram formar um campeonato paralelo, levando o esporte a sua pior crise em 60 anos.

A saída da BMW é o primeiro grande abandono da F1 desde a despedida da Honda em dezembro de 2008 devido às condições ruins do mercado. A equipe foi resgatada pela Brawn GP, atual líder do campeonato, que usa motores Mercedes.

A Associação das Equipe da F1 (Fota), que inclui as cinco atuais montadoras na categoria, incluindo a BMW, prometeu ajudar pela sobrevivência da equipe após a saída da montadora.