Bolt e Tyson Gay avançam nos 100 metros; Powell leva susto

sábado, 15 de agosto de 2009 13:47 BRT
 

Por Mitch Phillips

BERLIM (Reuters) - O jamaicano Usain Bolt e o norte-americano Tyson Gay se pouparam neste sábado nas primeiras baterias eliminatórias dos 100 metros rasos do Mundial de Atletismo e avançaram com facilidade à próxima fase, mas o ex-recordista mundial Asafa Powell tomou um grande susto.

Bolt, atual recordista mundial e campeão olímpico, marcou fáceis 10s20, enquanto Gay, que tem a melhor marca da temporada, obteve o melhor tempo da manhã, com 10s16.

Powell, que se tornou uma figura periférica ao lado dos dois grandes Astros, apesar de um belo tempo de 9s88 nesta temporada, soltou o corpo exageradamente na metade da eliminatória e depois teve de acelerar para finalizar em terceiro em sua bateria e evitar uma eliminação precoce.

O jamaicano, que normalmente não vai bem em grandes competições, estampou um nervoso sorriso enquanto esperava pelos resultados no telão do estádio.

A eliminação mais surpreendente das eliminatórias foi a de Derrick Atkins, de Bahamas, que foi vice-campeão no Mundial de 2007 e marcou 10s44 na sua bateria, terminando em quinto. Os dois brasileiros da prova, José Carlos Moreira e Basílio de Moraes, foram eliminados.

A segunda rodada acontece ainda neste sábado, com semifinais e finais no domingo.

As primeiras medalhas do Mundial foram para a marcha atlética de 20 km masculina, com o russo campeão olímpico Valeriy Borchin superando o calor para conquistar o ouro. A prova terminou no Portão de Brandenburgo, e não no estádio, como é o comum.

Borchin começou a liderar a marcha logo depois da metade e obteve o ouro com um tempo de 1h18min41s. O chinês Hao Wang ficou com a prata e o mexicano Edgar Sánchez, com o bronze.

O brasileiro Moacir Zimmermann chegou a liderar a prova, mas foi desclassificado por fazer movimento irregular por duas vezes. O outro representante do país, José Alessandro Bagio, abandonou.

 
<p>Tyson Gay, dos Estados Unidos, correndo os 100 metros rasos durante os jogos do Mundial de Atletismo em Berlim neste s&aacute;bado.REUTERS/Michael Dalder</p>