Murray diz que falta pouco para alcançar Federer

terça-feira, 18 de agosto de 2009 18:13 BRT
 

Por Simon Cambers

CINCINNATI (Reuters) - A liderança de Roger Federer no ranking mundial do tênis está longe de ser inalcançável, disse na terça-feira o tenista escocês Andy Murray, que nesta semana substituiu o espanhol Rafael Nadal como número 2 da lista. Para ele, a distância para o primeiro lugar é de apenas um Grand Slam.

Murray venceu no fim de semana o Masters de Montreal, e na quarta-feira começa a defender o título do Masters de Cincinnati. Com 9.250 pontos no ranking, ele é o primeiro britânico a alcançar o número 2 na lista masculina, e um bom desempenho nesta semana pode aproximá-lo do suíço Federer, que tem 11.040 pontos.

"(A diferença) não é tanta", disse o escocês a jornalistas. "É uma questão de algumas partidas. Se eu tivesse ido um pouco melhor no Aberto da Austrália, ou se não tivesse perdido um jogo apertado contra (Andy) Roddick nas semifinais de Wimbledon, quem sabe?"

"Sei que é um longo caminho entre perder nas semifinais e vencer, mas isso teria feito uma enorme diferença," acrescentou Murray. "Eu estaria muito perto de Roger nos rankings se eu tivesse vencido esses dois jogos das semis em diante."

"Essa é realmente a única diferença, conquistar um 'slam', entre ser número 1 e número 2, porque a consistência nos outros torneios tem sido bastante similar."

Só três homens até hoje - Andre Agassi, Patrick Rafter e Roddick - venceram os torneios do Canadá e de Cincinnati de forma consecutiva.

Ganhar dez jogos em duas semanas é uma tarefa difícil, mas Murray disse que não se preocupa com o risco de se sobrecarregar antes do Aberto dos EUA, que começa em 31 de agosto.

"No Aberto dos EUA, você pode jogar sua primeira rodada na quarta-feira, de modo que teoricamente poderia ter nove dias entre as partidas," disse Murray. "Como tive uma pausa de cinco semanas após Wimbledon, esperaria que ainda estaria razoavelmente fresco (descansado). Acho que é mais mentalmente do que fisicamente importante, porque fisicamente acho que estarei suficientemente forte para competir no 'slam,'" acrescentou.

"Você precisa ir para lá mentalmente fresco. São semanas longas, estressantes, se você quiser ir bem. Mas não estou tão preocupado em ter de jogar cinco partidas (aqui). Pode esquentar aqui, mas acho que é a mesma coisa para todo mundo."

 
<p>A lideran&ccedil;a de Roger Federer no ranking mundial do t&ecirc;nis est&aacute; longe de ser inalcan&ccedil;&aacute;vel, disse na ter&ccedil;a-feira o tenista escoc&ecirc;s Andy Murray, que nesta semana substituiu o espanhol Rafael Nadal como n&uacute;mero 2 da lista. Para ele, a dist&acirc;ncia para o primeiro lugar &eacute; de apenas um Grand Slam. REUTERS/Shaun Best (CANADA SPORT TENNIS)</p>