Semenya foi "humilhada" na África do Sul sobre gênero--jornal

quarta-feira, 16 de setembro de 2009 14:42 BRT
 

Por Michael Georgy

JOHANESBURGO (Reuters) - A corredora Caster Semenya foi submetida a testes humilhantes na África do Sul antes mesmo de surgirem questionamentos sobre seu sexo após a vitória no campeonato mundial no mês passado, informou um jornal sul-africano nesta quarta-feira.

Autoridades do atletismo da África do Sul acusaram a Associação Internacional de Federações Atléticas (Iaaf) de criar uma controvérsia ordenando testes de gênero sexual em Semenya, que massacrou suas adversárias nos 800m no campeonato mundial de Berlim.

"Os testes levaram quase duas horas e Semenya ficou frustrada, até irada, por sua natureza humilhante", teria dito o ex-treinador-chefe da federação de atletismo da África do Sul, Wilfred Daniels, segundo o diário Beeld.

O Beeld disse que Semenya ficou "profundamente irritada" quando foram tiradas fotos de suas partes íntimas durante o exame, na presença de um médico.

"Os pés dela estavam muito machucados quando tiraram as fotos", disse Daniels.

Leonard Chuene, presidente da ASA, disse à Reuters não poder comentar a reportagem do jornal Beeld por não tê-la visto. Ele se recusou a dizer se funcionários da ASA realizaram um teste de gênero em Semenya antes do Mundial na Alemanha.

Não se espera uma decisão até o final de novembro, mas a IAAF se recusou a confirmar uma reportagem de semana passada do jornal australiano Daily Telegraph que afirma que ela tem características sexuais de homem e mulher.

Semenya foi levada a acreditar que passaria por testes de doping na África do Sul, disse o diário Beeld.

Alguns sul-africanos acusaram a Iaaf de racismo por ordenar o teste de gênero em Semenya, dizendo que seus ombros largos e musculatura avantajada são comuns em mulheres atletas.

 
<p>A campe&atilde; mundial dos 800m Caster Semenya foi "humilhada" em exame, diz jornal sul-africano REUTERS/Siphiwe Sibeko (SOUTH AFRICA SPORT ATHLETICS)</p>