Rio 2016: sonho ou pesadelo?

terça-feira, 29 de setembro de 2009 13:26 BRT
 

Por Pedro Fonseca

RIO DE JANEIRO (Reuters) - O Rio já está na reta final de uma longa corrida pela sede dos Jogos Olímpicos, mas o sonho de trazer pela primeira vez a Olimpíada para a América do Sul também é apontado como um possível pesadelo de promessas não cumpridas, orçamentos estourados e bilhões de reais gastos em elefantes brancos.

Após duas tentativas frustradas, o Rio de Janeiro tem esta semana a primeira chance real de ser eleita sede da Olimpíada de 2016.

A cidade concorre com Chicago, Madri e Tóquio numa das disputas mais equilibradas dos últimos anos. O anúncio da vencedora será feito pelo Comitê Olímpico Internacional (COI) no dia 2 de outubro, em Copenhague.

"Na nossa opinião o COI vai tomar uma decisão importante para 2016, que pode ser histórica", disse recentemente à Reuters o secretário-geral da candidatura Rio 2016, Carlos Roberto Osório.

O Rio apresenta como um de seus trunfos o legado dos Jogos Pan-Americanos, o que, no entanto, traz também a lembrança do orçamento estourado e de muitas promessas não cumpridas -- como a expansão do metrô e a despoluição da Baía de Guanabara, entre outras obras.

Além disso, apenas 29 por cento das instalações esportivas construídas para o evento de 2007 estão prontas para a Olimpíada, e a maioria delas praticamente não foi usada desde então.

Desta vez, as promessas incluem um novo sistema de transporte rápido interligando as regiões dos Jogos, a reforma da zona portuária e do aeroporto internacional, o aumento da oferta de acomodação, e, outra vez, a limpeza da baía e das lagoas da cidade.

Para tanto, a proposta prevê um gasto total de 28,8 bilhões de reais, dos quais quase 25 bilhões provenientes dos cofres públicos. Segundo as autoridades da candidatura, boa parte das obras está prevista para ser executada independentemente da realização dos Jogos, algumas para a Copa do Mundo de 2014 que será realizada no Brasil.   Continuação...