29 de Setembro de 2009 / às 17:17 / 8 anos atrás

SAIBA MAIS-Desafios do Rio para receber os Jogos de 2016

Pedro Fonseca

<p>Projeto para instala&ccedil;&otilde;es esportivas para as olimp&iacute;adas de 2016. Entre as quatro concorrentes a sede, o Rio de Janeiro &eacute; a cidade com menor infraestrutura pronta. REUTERS/Rio2016/Handout</p>

RIO (Reuters) - Entre as quatro concorrentes a sediar os Jogos Olímpicos de 2016, o Rio de Janeiro é a cidade com menor infraestrutura pronta.

Para reverter a situação e realizar a primeira Olimpíada da América do Sul, superando as concorrentes Madri, Chicago e Tóquio na votação do dia 2 de outubro, a cidade tem uma série de desafios e promessas a cumprir.

Veja abaixo os principais projetos a serem realizados:

ARENAS

As instalações esportivas construídas para os Jogos Pan-Americanos deram ao Rio de Janeiro uma base para a proposta visando a Olimpíada. Segundo os organizadores, 29 por cento das instalações exigidas para os Jogos de 2016 já estão totalmente prontas, enquanto outros 24 por cento precisam de modernização. O restante será construído ou de forma permanente ou temporariamente apenas para os Jogos.

Entre os locais prontos destaca-se o Maracanãzinho (vôlei), a Arena Olímpica (ginástica) e o estádio do Maracanã (cerimônia e futebol), que será submetido a uma boa reforma para a Copa do Mundo de 2014.

O Parque Aquático Maria Lenk (saltos ornamentais e pólo aquático), está entre as instalações feitas para o Pan que precisarão ser modernizadas, mas ainda assim, não terá o tamanho necessário para as provas de natação, que serão disputadas num outro estádio a ser construído com capacidade para 18.000 pessoas.

O estádio Olímpico João Havelange (atletismo), construído para o Pan, terá sua capacidade ampliada de 45.000 para o mínimo exigido pelo Comitê Olímpico Internacional (COI) de 60.000, caso a cidade seja a vencedora.

TRANSPORTE

Garantir o fluxo dos envolvidos nos Jogos Olímpicos sem causar um colapso no trânsito da cidade será um dos maiores desafios do Rio.

Com um sistema de metrô limitado (37 km) que não alcança a região da Barra da Tijuca, onde se concentrará a maior parte das arenas esportivas, as autoridades prometem tirar do papel um projeto para o uso de ônibus em corredores exclusivos como parte de um investimento total em transportes de 5 bilhões de dólares.

Entretanto, propostas ambiciosos de transporte para o Pan-2007 não foram cumpridas -- como a extensão do metrô e o uso de barcas pela orla carioca -- o que provocou congestionamentos ainda maiores do que o comum pela cidade devido às faixas de trânsito exclusivas destinadas aos credenciados durante o Pan.

Para os atletas, a promessa dos organizadores é garantir que eles cheguem aos locais de competição em menos de 25 minutos em 75 por cento dos casos. No entanto, para os torcedores, a vida não deve ser tão fácil, já que uma viagem da zona sul -- onde se concentram os principais hotéis -- até a Barra não leva menos de 1 hora.

Ainda que as novas linhas de BRT (Bus Rapid Transit) fiquem prontas até 2015 como planejado, integrando as quatro principais regiões de competições, o aeroporto internacional ainda continuará isolado. Todos os visitantes que desembarcarem no Aeroporto Internacional Tom Jobim terão obrigatoriamente que passar por vias expressas rodeadas por favelas, o que desperta outra preocupação: a segurança.

SEGURANÇA

As favelas controladas por facções que disputam o controle do tráfico de drogas dividem a paisagem da cidade com os belos cenários naturais. Nessas comunidades, centenas de mortes acontecem todos os anos em confrontos com a polícia.

Apesar de a maioria das instalações esportivas estar fora do alcance das favelas, dois eventuais ícones dos Jogos no Rio estão em áreas consideradas de risco: o Estádio Olímpico João Havelange, situado no subúrbio do Engenho de Dentro, e o próprio Maracanã, distante poucos quilômetros da favela da Mangueira, cenário de eventuais conflitos internos e operações da polícia contra traficantes.

A esperança dos organizadores é depositada na tradição pacífica de grandes eventos internacionais realizados na cidade, como o próprio Pan-2007 e a cúpula ambiental Rio-1992, quando não foram registrados incidentes violentos.

Outro ponto destacado pelas autoridades é que o Brasil não tem risco de terrorismo.

MEIO AMBIENTE

Ao mesmo tempo em que o meio ambiente é considerado um trunfo da candidatura do Rio devido a cenários como Pão de Açúcar, Baía de Guanabara e a Mata Atlântica, que serviriam de cenário para os atletas, o tema representa mais um desafio com muitas propostas a serem cumpridas.

A Baía de Guanabara está poluída há décadas. A Lagoa Rodrigo de Freitas, outro ponto alto das belezas naturais que receberá provas durante os Jogos, também precisa ser limpa, assim como as lagoas ao redor da eventual Vila Olímpica, na Barra.

Atletas do Brasil e do exterior reclamaram da água da Baía e da Lagoa durante o Pan, e até o maior campeão olímpico do Brasil, o velejador Torben Grael, não poupou críticas à sujeira das águas numa recente competição no Rio.

Um plano do governo federal prevê um investimento de 4 bilhões de dólares para a despoluição das águas, enquanto os organizadores prometeram plantar 214 milhões de árvores no Estado do Rio para neutralizar as emissões de gases causadores do efeito estufa geradas pelas operações dos Jogos Olímpicos.

ACOMODAÇÃO

Dos 48.000 quartos prometidos pela proposta da cidade, mais de 25.000 estão localizados em três condomínos de edifícios que serão construídos em pontos diferentes da cidade e depois vendidos no mercado imobiliário, assim como a Vila Olímpica. A mesma estratégia foi utilizada na Vila do Pan-Americano, mas até hoje alguns compradores tem problemas para morar em apartamentos que foram usados e depois entregues com defeitos e dificuldades nas vias de acesso.

Outra parte considerável dos quartos está prevista para navios de cruzeiro que vão atracar na região portuária da cidade, uma área atualmente bastante degradada e afastada dos principais locais de competição. A proposta olímpica cita um projeto de revitalização do porto do Rio ao custo de quase 380 milhões de reais que é discutido há bastante tempo, mais que ainda não saiu o papel.

No relatório de avaliação do COI sobre as concorrentes, a proposta do Rio foi a única a receber ressalvas sobre o tema, uma vez que a maior parte dos quartos oferecidos ainda precisam ser confirmados.

Edição de Maria Pia Palermo

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below