2 de Outubro de 2009 / às 20:43 / 8 anos atrás

ANÁLISE-Rio deve vitória a empenho de Lula e a economia forte

<p>Rio de Janeiro deve vit&oacute;ria a empenho de Lula e a economia forte.Pawel Kopczynski</p>

Por Karolos Grohmann

COPENHAGUE (Reuters) - O Rio de Janeiro, que era o grande azarão da disputa há um ano, tornou-se na sexta-feira a primeira cidade sul-americana a receber o direito de realizar uma Olimpíada, a de 2016, graças à eloquência do presidente Luiz Inácio Lula da Silva e do recém-adquirido poderio econômico do Brasil.

Há um ano, era improvável que o Rio fosse o vencedor. As candidaturas fracas para 2004 e 2012 haviam levado a uma eliminação rápida, e a cidade brasileira parecia fadada ao fracasso novamente --tanto que ficou apenas em quinto lugar no relatório técnico do Comitê Olímpico Internacional (COI) no ano passado.

Os favoritos Chicago, Madri e Tóquio todos se saíram melhor --e até Doha, no Catar, teve uma avaliação mais positiva.

Mas o COI acabou dando ao Rio um questionável quarto lugar entre as finalistas, com direito de levar a candidatura à votação de sexta-feira em Copenhague.

"Aprendemos com aquelas candidaturas frustradas. Eu disse ao presidente (do COI) Jacques Rogge um dia depois da derrota (para os Jogos de 2012) que voltaríamos". disse o chefe da candidatura e do Comitê Olímpico Brasileiro, Carlos Arthur Nuzman, depois da vitória de sexta-feira.

Dúvidas a respeito da segurança pública e do financiamento para um evento como a Olimpíada --maior competição pluriesportiva do mundo-- atingiram seu auge depois dos Jogos Pan-Americanos de 2007. Para os organizadores, o evento regional foi um sucesso, mas críticos insistiram que foi um desastre.

Em junho deste ano, porém, a situação já havia mudado. A recessão global havia afetado mais duramente outros países --inclusive Estados Unidos, Japão e Espanha-- do que o Brasil.

FATOR MEIRELLES

Naquele mês, numa apresentação na sede do COI em Lausane (Suíça), a candidatura carioca ganhou um reforço de peso --o apoio do presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, que assegurou aos membros do comitê que a economia brasileira havia resistido bem à crise do crédito global e estava crescendo.

Pela primeira vez, a possibilidade de que o Rio poderia arcar com o ônus financeiro de realizar os Jogos foi levada a sério. Ao mesmo tempo, o Banco Mundial previa que o Brasil se tornará a quinta maior economia do mundo até 2016.

Enquanto isso, o orçamento para a candidatura de Chicago, todo oriundo da iniciativa privada, virava fonte de preocupação para os dirigentes olímpicos, e as polêmicas entre o COI e o Comitê Olímpico dos EUA cobravam seu preço.

Tóquio parecia ter pouco fôlego, e a candidatura de Madri, que também havia sido derrotada em 2012, tampouco decolava.

O sólido apoio do presidente Luiz Inácio Lula da Silva ao longo de toda a campanha e seu entusiasmado apoio à candidatura em todos os eventos internacionais ao qual ele comparecia reforçaram a percepção de que desta vez o Rio estava preparado.

Lula e Meirelles reforçaram a dose na sexta-feira diante do COI, quando o Rio realizou uma apresentação absolutamente convincente.

Nem a presença em Copenhague de Barack Obama, primeiro presidente em exercício dos EUA a participar de uma sessão do COI, bastou para impedir a vitória carioca.

"Tenho relações especiais com o presidente Obama. Mas eu disse a ele: 'Se você não for, eu vou e nós vamos ganhar'. Eu disse a ele e aí ele veio", afirmou Lula.

E foi assim que esse ex-metalúrgico, ainda altamente popular apesar de já estar na metade final do seu segundo mandato, pôde derramar lágrimas de alegria quando, na última rodada de votação do COI, o Rio derrotou Madri pela expressiva margem de 66 votos a 32.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below