Morales joga futebol para defender disputas na altitude

sábado, 3 de outubro de 2009 17:24 BRT
 

Por Diego Oré

LA PAZ (Reuters) - O presidente da Bolívia, Evo Morales, disputou uma partida de futebol na região de Oruro, no altiplano boliviano, no reinício da campanha para que a Fifa não ratifique o veto a jogos disputados em altitude superior a 2.750 metros acima do nível do mar.

O jogo, entre o combinado presidencial e antigos astros do futebol boliviano, foi disputado no vilarejo de Orinoca, a 3.800 metros de altitude, onde Morales nasceu há 49 anos.

Em dezembro de 2007 a Fifa anunciou a proibição de jogos na altitude, mas essa medida foi temporariamente suspensa em maio do ano passado.

No entanto, em uma reunião realizada no começo de 2009, a Comissão Médica da Fifa decidiu confirmar a proibição de partidas na altitude, e no próximo encontro da entidade, em outubro, recomendaria aos representantes de suas 208 federações associadas um período de aclimatação de, pelo menos, duas semanas antes da partida.

Diante disto, a Bolívia relançou a campanha contra a proibição de jogos na altitude que, entre outras coisas, inclui diversos estudos médicos.

Um desses estudos concluiu que chegar perto da hora de realização da partida, disputá-la e logo depois deixar o local diminui os efeitos da altitude.

"Vim jogar aqui para mostrar à Fifa que o futebol se pratica onde se vive, portanto, nenhuma organização internacional pode proibir isto de acontecer", disse Morales antes de começar a partida.

A proibição da Fifa não afetaria apenas o estádio Hernando Siles, na capital boliviana, localizado aos 3.600 metros de altitude, como também o estádio Atahualpa de Quito, 2.850 metros acima do nível do mar e a sede do clube peruano Cienciano, que está a mais de 3.400 metros de altura.   Continuação...