Seleção encara altitude da Bolívia como chance para firmar time

terça-feira, 6 de outubro de 2009 17:04 BRT
 

RIO (Reuters) - Parte da seleção brasileira convocada para os dois últimos jogos das eliminatórias da Copa do Mundo se apresentou nesta terça-feira na Granja Comary, em Teresópolis.

Os dois últimos compromissos da equipe são contra a Bolívia, em La Paz, e ante a Venezuela, em Campo Grande.

Apesar da seleção já estar classificada para o Mundial de 2010, na África do Sul, jogadores encaram o desafio na altitude boliviana como chance de firmação no time e entrosamento entre os titulares.

"Se (o Dunga) optar por mim vou fazer meu trabalho. São jogos importantes para aqueles que querem se firmar", disse o centroavante Luís Fabiano, artilheiro do Brasil nas eliminatórias.

"Se puder ajudar vou com tudo de novo. Sempre quero jogar. Se o Dunga me consultar vou dizer que quero ir. Eu quero jogar até porque quero ser artilheiro das eliminatórias", acrescentou Luís Fabiano, que recebeu de um torcedor um troféu pela boa atuação na vitória de 3 x 1 sobre a Argentina fora de casa.

O goleiro Júlio César afirmou que o Brasil pode utilizar os compromissos para entrosar a equipe. Até a Copa do Mundo, o Brasil disputará apenas cinco partidas.

"O objetivo já foi conquistado e acho que os jogos vão servir para entrosar mais o grupo. Com o Dunga não tem essa de poupar. Conhecendo ele, posso dizer que vai todo mundo", afirmou o titular da Inter de Milão , que também negou propostas de clubes europeus para deixar a equipe italiana. "Tenho contrato até 2012 e estou feliz lá", afirmou.

Os reservas, assim como os titulares, estão dispostos a encarar a falta de ar pela altitude de La Paz.

"Estou vivendo a expectativa de ser lembrado outras vezes. Estamos perto da Copa e estou chegando agora. Tenho que agarrar essa oportunidade . Meu sonho é chegar lá", disse Diego Tardelli, vice-artilheiro do Campeonato Brasileiro pelo Atlético-MG.   Continuação...

 
<p>Artilheiro do Brasil nas eliminat&oacute;rias da Copa de 2010, Lu&iacute;s Fabiano se diz &agrave; disposi&ccedil;&atilde;o do t&eacute;cnico Dunga REUTERS/Bruno Domingos</p>