Acusações marcam campanha pela presidência da FIA

sexta-feira, 16 de outubro de 2009 12:28 BRT
 

Por Alan Baldwin

SÃO PAULO (Reuters) - A troca de ofensas ditou o tom da campanha pela mais importante posição na administração do automobilismo mundial nesta sexta-feira, com o atual presidente da FIA, Max Mosley, e seu possível sucessor Ari Vatanen trocando cartas nada amistosas.

A Federação Internacional de Automobilismo (FIA) publicou uma troca de correspondências entre os dois homens, e pediu em um comunicado o fim da campanha negativa antes da eleição de 23 de outubro.

Em sua carta, com data de 14 de outubro e divulgada por seus advogados, o ex-campeão mundial de rali Vatanen reclamou que "o princípio da neutralidade tem sido constantemente ignorado pela FIA".

O finlandês acusou Mosley, que declarou apoio ao ex-chefe da equipe Ferrari Jean Todt para sucedê-lo, de ser o primeiro a "violar" esse princípio.

Vatanen também disse que uma carta enviada por Mosley ao príncipe Faisal, da Jordânia, um dos principais aliados do finlandês, era difamatória e que ele se reservava ao direito de tomar ações legais.

Ele também sugeriu que recursos da FIA foram utilizados a favor de Todt.

"Peço que você pare e que você garanta que funcionários na folha de pagamentos da FIA e de organizações que dependem financeiramente da FIA parem com essas práticas que até agora constituem uma violação ao princípio de igualdade entre os candidatos à presidência da FIA", escreveu Vatanen.

Mosley respondeu no dia seguinte com uma carta expressando surpresa pelas críticas, mas reiterou seu apoio à candidatura de Todt.   Continuação...