Cristiano Ronaldo ficará mais 2 semanas afastado por lesão

quinta-feira, 5 de novembro de 2009 17:00 BRST
 

MADRI (Reuters) - Exames realizados em Amsterdã mostraram que o atacante do Real Madrid Cristiano Ronaldo precisa de mais duas semanas de tratamento para uma lesão no tornozelo, informou o clube espanhol nesta quinta-feira.

Ronaldo, que não joga desde o agravamento da contusão na vitória de Portugal por 3 x 0 sobre a Hungria em 10 de outubro, tinha seu retorno aos gramados previsto para os próximos dias.

Mas o Real Madrid afirmou que exames realizados na quarta-feira por um médico na Holanda que tratou o mesmo tornozelo do jogador no ano passado mostraram que o português precisará de mais duas semanas de tratamento.

Ele deve voltar a ser avaliado pelo médico Niek van Dijk, em Amsterdã, daqui 15 dias, acrescentou o clube em seu site na Internet.

Ronaldo vai desfalcar o Real no clássico contra o Atlético de Madri, no sábado, e no jogo de terça-feira da Copa do Rei contra o Alcorcón, que venceu a partida de ida por incríveis 4 x 0.

A Federação Portuguesa de Futebol negou nesta quinta-feira uma reportagem do jornal espanhol Marca dizendo que o jogador ficaria ao menos mais um mês afastado dos gramados devido à lesão, o que deixaria Ronaldo de fora das duas partidas da repescagem da Copa do Mundo contra a Bósnia neste mês.

O jornal afirmou que o atacante poderia ficar até três meses parado caso tivesse que passar por uma cirurgia.

"Até o Marca erra", disse o presidente da federação, Gilbert Madail, acrescentando que espera ter Ronaldo em campo pela seleção na partida de 14 de novembro contra a Bósnia, em Lisboa, e no jogo de volta, quatro dias depois, em Zenica.

"Ronaldo quer jogar, ele vai se apresentar e será examinado pela equipe médica. A situação está sob controle. Houve contatos entre o nosso técnico, o técnico do Real Madrid, o jogador e os departamentos médicos."

(Por Iain Rogers, com reportagem adicional de Shrikesh Laxmidas em Lisboa)

 
<p>Cristiano Ronaldo, em foto de arquivo, ficar&aacute; mais 2 semanas afastado por les&atilde;o. REUTERS/Paul Hanna</p>