Por causa de futebol, Argélia convoca embaixador do Egito

sexta-feira, 20 de novembro de 2009 20:26 BRST
 

ARGEL (Reuters) - O chanceler da Argélia convocou na sexta-feira o embaixador do Egito em Argel para rejeitar as acusações de que seu governo teria sido conivente com agressões de torcedores durante o recente confronto dos dois países pelas eliminatórias da Copa do Mundo, disse a imprensa estatal argelina.

A tensão que cercou o jogo de volta do duelo, no sábado no Egito, e a partida de desempate na quarta-feira no Sudão causou pequenos confrontos entre torcedores e uma guerra de palavras entre as imprensas dos dois países, o que abalou as relações entre esses dois governos árabes.

Na quinta-feira, o site noticioso estatal EgyNews disse que o Cairo iria retirar seu embaixador de Argel para consultas sobre a violência contra egípcios depois do jogo de quarta-feira, que deu a vaga na Copa de 2010 aos argelinos.

O chanceler da Argélia, Mourad Medelci, disse ao embaixador do Egito que seu governo via com "incompreensão e grande preocupação" a "escalada da campanha midiática" no Egito, o que "não serve aos interesses dos dois países e dos dois povos", segundo a agência local APS.

O despacho disse que a Argélia tomou todas as medidas necessárias para conter a violência da torcida e reforçou a segurança para proteger cidadãos e patrimônios egípcios na Argélia.

Antes do jogo de desempate no Sudão, o Egito acusou torcedores argelinos de terem vandalizado a subsidiária da empresa egípcia de telefonia celular Orascom Telecom em Argel. Em seguida, autoridades argelinas cobraram 597 milhões de dólares em impostos atrasados da empresa.

Antes disso, torcedores egípcios haviam apedrejado o ônibus da seleção argelina, machucando alguns jogadores. No dia da partida no Cairo, alguns torcedores ficaram feridos em confrontos com rivais.

Na sexta-feira, manifestantes protestaram pelo segundo dia consecutivo perto da embaixada argelina no Cairo.

Com a vitória no Sudão, a Argélia ganhou o direito de voltar a disputar uma Copa pela primeira vez desde 1986.