Massa volta a pilotar F1 ainda neste ano

segunda-feira, 14 de dezembro de 2009 09:14 BRST
 

LONDRES (Reuters) - O brasileiro Felipe Massa voltará a pilotar um carro de Fórmula 1 ainda neste ano, confirmando a recuperação depois do grave acidente que sofreu em julho, disse a Ferrari no domingo.

Em seu site www.ferrari.com, a equipe italiana disse que em algum momento nos próximos dias Massa vai guiar um dos carros de 2007, com pneus de exibição, no circuito de Mugello,

"Quis entrar num carro de Fórmula 1 antes do final do ano, então fiz o máximo para estar em Maranelllo para isso", disse Massa, que foi à festa de fim de ano da fábrica da equipe.

Massa, que já havia guiado o carro de 2007 em outubro, para testar sua recuperação, se vestiu de Papai Noel junto com os pilotos de testes Luca Badoer e Marc Gené, na festa para funcionários da Ferrari e seus parentes.

No almoço de sábado, Massa ouviu o presidente da Ferrari, Luca di Montezemolo, citá-lo como um exemplo para a equipe, que venceu apenas uma corrida em 2009 e perdeu o título do Mundial de Construtores.

"Este foi um péssimo ano, que não estava à altura do padrão habitual da Ferrari", disse o dirigente. "Nenhum de nós está feliz com a forma como as coisas transcorreram --praticamente nunca estivemos suficientemente competitivos para lutar pela vitória, e isso não é o nosso estilo."

"Entretanto, cada um de nós tem o desejo e a capacidade de reagir e voltar, não só sendo muito competitivo, mas também vencendo", acrescentou. "O símbolo do nosso desejo de reagir é realmente Felipe, que soube como lidar com uma situação muito difícil e dramática, e todos nós podemos tomá-lo como nosso exemplo no ano que vem."

Massa, vice-campeão em 2008, não disputa uma corrida desde que foi atingido por uma mola que se soltou do carro do compatriota Rubens Barrichello, nos treinos para o GP da Hungria. Em 2010, ele fará dupla na Ferrari com o espanhol Fernando Alonso.

(Reportagem de Alan Baldwin)

 
<p>O piloto Felipe Massa, em foto de arquivo, voltar&aacute; a pilotar F1 ainda neste ano. REUTERS/Bruno Domingos</p>