Problemas de Tiger Woods mexem no mercado de patrocínios

segunda-feira, 14 de dezembro de 2009 19:35 BRST
 

CHICAGO (Reuters) - Tiger Woods acaba de deixar bem mais complicada a vida de atletas que buscam patrocínios por causa de problemas pessoais avidamente perseguidos pela mídia num tipo de exposição que afugenta eventuais patrocinadores.

Primeiro atleta a ficar bilionário com sua atividade, maior golfista do mundo, Woods, 33 anos, sempre foi visto como um exemplo, até que sofresse um acidente de carro no mês passado, em frente à sua casa.

A imprensa logo aventou a hipótese de que o acidente tivesse sido provocado por sua esposa, a sueca Elin Nordegren, como reação a um romance extraconjugal --que Woods acabou confessando. Pelo menos 13 mulheres se apresentaram como amantes dele nas últimas semanas.

"Se o Tiger pode sair do rumo, qualquer um pode", disse Marc Ganis, presidente da consultoria desportiva Sportscorp. "Não havia atleta que fosse considerado mais seguro (do ponto de vista publicitário) do que Tiger há um mês. Isso vai ter um impacto", afirmou.

Na sexta-feira, Woods anunciou uma "pausa indeterminada" na sua carreira profissional. No domingo, a empresa Accenture anunciou a suspensão do seu patrocínio de seis anos ao atleta por considerar que "ele não é mais o representante correto para a sua publicidade."

Na véspera, a Procter & Gamble já havia afirmado que limitaria o uso de Woods como garoto-propaganda da sua marca Gillette. A AT&T também disse estar revendo sua relação com o golfista, enquanto a suíça Tag Heuer (relógios) afirmou não ter se decidido sobre manter o contrato com ele.

Alguns analistas dizem que o caso Woods pode elevar o interesse das empresas por patrocínios de campeonatos, equipes e estádios, em vez de indivíduos, que são mais suscetíveis a fatores alheios ao controle do marketing, como escândalos e fases ruins dentro de campo.

Mas nem todos estão abandonando Woods. Phil Knight, presidente e cofundador da Nike, disse que o escândalo é "parte do jogo" na hora de assinar um contrato de patrocínio, e que não se arrepende da relação da marca com o atleta.

Gatorade, Electronic Arts, TLC Vision e NetJets também já anunciaram a intenção de manter seus contratos com Woods.

(Reportagem de Ben Klayman)

 
<p>Tiger Woods acaba de deixar bem mais complicada a vida de atletas que buscam patroc&iacute;nios por causa de problemas pessoais avidamente perseguidos pela m&iacute;dia num tipo de exposi&ccedil;&atilde;o que afugenta eventuais patrocinadores. (Foto Arquivo Reuters) REUTERS/Mick Tsikas</p>