Schumacher volta à F1 atrás do seu oitavo título

quarta-feira, 23 de dezembro de 2009 10:08 BRST
 

Por Alan Baldwin

LONDRES (Reuters) - A equipe Mercedes anunciou oficialmente na quarta-feira que Michael Schumacher voltará à Fórmula 1 aos 41 anos de idade para disputar um inédito oitavo título mundial, após dois anos de aposentadoria.

"Nosso objetivo só pode ser lutar pelo campeonato", disse o alemão em entrevista coletiva após assinar contrato na terça-feira.

A imprensa diz que o piloto, já campeão pela Benetton e a Ferrari, vai ganhar 7 milhões de euros (10 milhões de dólares). A ex-Brawn GP agora é alemã, e o companheiro de Schumacher também deve ser - Nico Rosberg, que já assinou contrato para 2010.

Havia expectativa de que Schumacher assinasse um contrato de um ano, mas ele disse que a intenção é correr durante três anos. "Não é uma coisa isolada. Esperamos ter continuação", afirmou.

A volta de Schumacher, que completa 41 anos em janeiro, representa também uma retomada da sua parceria com o britânico Ross Brown, que como diretor técnico supervisionou todos os títulos do alemão, e agora também comanda a Mercedes.

Schumacher já havia sido piloto da Mercedes em outras categorias, antes de entrar na F1 pela Jordan, em 1991.

"Estou feliz por poder devolver algo que a Mercedes me deu nos primeiros dias", afirmou o piloto, que soma 249 provas e 91 vitórias na categoria.

Schumacher chegou a ensaiar um retorno às pistas neste ano, quando teve a chance de substituir Felipe Massa, afastado da Ferrari por causa do acidente no GP da Hungria. Abandonou a ideia porque ainda sentia dores no pescoço, decorrência de um acidente de moto.   Continuação...

 
<p>Foto arquivo mostra Michael Schumacher durante sess&atilde;o classificat&oacute;ria para a GP da Europa da F1 em da Europa Val&ecirc;ncia no dia 22 de agosto. A equipe Mercedes anunciou na quarta-feira que Schumacher voltar&aacute; &agrave; F&oacute;rmula 1 aos 41 anos de idade para disputar um in&eacute;dito oitavo t&iacute;tulo mundial, ap&oacute;s dois anos de aposentadoria. REUTERS/Albert Gea/Files</p>