Copa Africana começa e Togo espera participar da competição

domingo, 10 de janeiro de 2010 18:47 BRST
 

Por Julien Pretot

CABINDA, Angola (Reuters) - A seleção de futebol do Togo voltava para casa neste domingo após o ataque contra o ônibus do time, mas o ministro dos Esportes disse que o país esperava regressar a Angola, onde começou o maior torneio da África.

Apesar de assombrada pelas mortes de integrantes do time de Togo no ataque perpetrado em Cabinda, a Copa Africana de Nações começou como estava previsto no estádio com capacidade para 50 mil pessoas em Luanda, capital de Angola.

Um espetáculo de fogos de artifício iluminou o estádio construído especialmente para o evento. Os torcedores fizeram um minuto de silêncio em respeito aos togoleses antes de o jogo de abertura começar entre Angola e Mali.

Os jogadores do Togo e o técnico, apesar de chocados com o ocorrido, disseram que competiriam para honrar as vítimas, mas o primeiro-ministro do país ordenou que o time voltasse para casa e enviou um avião para buscá-los.

O primeiro-ministro Gilbert Houngbo disse que seria errado deixar o time ficar em Angola e participar do torneio.

"Qualquer um envolvido em questões de segurança diria que seria irresponsável apenas fingir que nada aconteceu e deixar o espetáculo continuar", ele disse à BBC. "A segurança não é negociável".

O capitão da seleção togolesa, Emmanuel Adebayor, disse a repórteres no aeroporto de Cabinda que "temos que chorar os nossos mortos, vamos voltar para fazer isso, assim é a vida e estamos obviamente muito tristes".

Mas mesmo quando o avião togolês se preparava para decolar, um porta-voz da seleção disse que uma decisão final ainda não havia sido tomada.   Continuação...

 
<p>Pol&iacute;cia angolana protege &ocirc;nibus que transporta sele&ccedil;&atilde;o de futebol Togo, na sa&iacute;da da Vila Ol&iacute;mpica onde as sele&ccedil;&otilde;es de Togo, Gana, e Burkina Faso estavam hospedados para a Copa das Na&ccedil;&otilde;es Africanas em Cabinda, no dia 9 de janeiro. Emmanuel Adebayor, jogador da equipe do Manchester City, comunicou neste domingo que a sele&ccedil;&atilde;o de Togo ficar&aacute; fora do maior torneio do futebol africano. REUTERS/Amr Abdallah Dalsh</p>