Emboscada em Angola ofusca maior evento africano de futebol

domingo, 10 de janeiro de 2010 12:13 BRST
 

Por Henrique Almeida

LUANDA, Angola (Reuters) - O maior torneio de futebol da África começa em Angola neste domingo sob a sombra de uma emboscada sofrida pelo ônibus da seleção de Togo que deixou três mortos e sete feridos, levando o país a retirar seu time da competição.

O governo angolano investiu 1 bilhão de dólares na construção de estádios, estradas e hotéis para a competição, que reúne as melhores seleções do continente. O torneio, que acontece até 31 de janeiro, será transmitido ao vivo para o mundo todo.

A Copa das Nações Africanas, que acontece a cada dois anos, deve começar com fogos de artifício e champanhe em um gigantesco estádio na capital Luanda, onde os anfitriões enfrentam Mali no jogo de abertura, que está marcado para este domingo.

Mas o ataque de sexta-feira contra a equipe de Togo em Cabinda, ao norte de Angola, organizado por um grupo que o governo angolano havia dito recentemente que não mais existia, jogou uma sombra sobre um evento que deveria mostrar que Angola finalmente vivia em paz após anos mergulhada em guerra civil.

Os rebeldes do grupo separatista Forças de Libertação do Estado de Cabinda (FLEC) atacaram o ônibus de Togo com rajadas de bala, matando o motorista do veículo e ferindo outras nove pessoas. Dois componentes da seleção de futebol de Togo morreram no sábado.

Um ministro togolês disse que o governo retiraria o time do torneio em razão "a situação dramática." Nenhuma das outras seleções decidiu fazer o mesmo por solidariedade, porém algumas equipes, como o Egito, atual campeão africano, exigiu que a segurança ficasse mais rígida.

Analistas de segurança disseram que a emboscada mostrou como insurgentes podem facilmente tomar as manchetes de jornais ao redor do mundo com ataques relativamente simples e embaraçar as nações ao expor as falhas na questão da segurança.

MAIS SEGURANÇA   Continuação...

 
<p>Policial angolano das for&ccedil;as especiais mant&eacute;m guarda ao lado de fora da Vila Ol&iacute;mpica onde as sele&ccedil;&otilde;es de Togo, Ghana, Costa do Marfim e Burkina Faso estavam hospedados para a Copa das Na&ccedil;&otilde;es Africanas em Cabinda, Angola, no dia 9 de janeiro. O maior torneio de futebol da &Aacute;frica come&ccedil;a neste domingo sob a sombra de uma emboscada sofrida pelo &ocirc;nibus da sele&ccedil;&atilde;o de Togo que deixou tr&ecirc;s mortos e sete feridos, levando o pa&iacute;s a retirar seu time da competi&ccedil;&atilde;o. REUTERS/Amr Abdallah Dalsh</p>