Brasil anuncia pacote de R$20,1 bilhões para Copa de 2014

quarta-feira, 13 de janeiro de 2010 20:39 BRST
 

BRASÍLIA (Reuters) - Autoridades dos três níveis de governo se comprometeram nesta quarta-feira com um investimento de 20,1 bilhões de reais para diversas obras visando a Copa do Mundo de 2014, principalmente em projetos de mobilidade urbana.

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva e os governadores e prefeitos das 12 cidades-sedes do Mundial assinaram em Brasília a chamada matriz de responsabilidades para a Copa 2014, que define quais serão os encargos de cada ente federativo na preparação para o evento.

A maior parte dos recursos será destinada aos projetos de transporte, que receberão mais de 11 bilhões de reais. Também haverá investimentos em obras em aeroportos, portos, rede hoteleira, terminais turísticos e reforma e construção dos estádios.

"O primeiro pacote de investimento para melhorar a infraestrutura brasileira (para a Copa) já tem aproximadamente 20 bilhões de reais", disse a jornalistas o ministro do Esporte, Orlando Silva. O montante não inclui os investimentos necessários para a segurança do torneio.

Segundo o ministro, o governo vai lançar ainda este ano um programa específico para a proteção da Copa do Mundo, que também contará com participação dos Estados e municípios envolvidos no Mundial.

No caso dos estádios, que inicialmente não receberiam verba pública para as obras da Copa, o governo já havia anunciado no ano passado que 4,8 bilhões de reais serão emprestados pelo BNDES para as 12 arenas, com limite de 400 milhões de reais para cada projeto.

O presidente Lula defendeu que todos os projetos para o Mundial sejam bem discutidos pelas autoridades e que haja celeridade nos processos de execução e fiscalização relativos ao Mundial, que já tem data marcada para começar -- junho de 2014.

Lula ainda cutucou a Fifa pelas extensas exigências solicitadas para a Copa do Mundo, que vão desde um número mínimo de quartos de hotel nas cidades até estádios de última geração para a realização das partidas.

"A gente não precisa acreditar em todas as exigências que os gringos fazem", disse. "Nós temos uma realidade, queremos fazer o nosso melhor para a Copa do Mundo, mas somos um país que tem a nossa característica e a nossa realidade".   Continuação...