Federer, Serena e chinesa avançam às semifinais na Austrália

quarta-feira, 27 de janeiro de 2010 10:11 BRST
 

Por Julian Linden

MELBOURNE (Reuters) - Roger Federer e Serena Williams precisaram lutar muito na quarta-feira para se manter vivos no Aberto da Austrália, enquanto a chinesa Li Na surpreendeu Venus Williams e se tornou a segunda chinesa na história a chegar a uma semifinal de torneios do Grand Slam.

Depois de passar aperto frente ao russo Nikolay Davidenko, Federer emendou 13 games consecutivos e venceu por 2-6, 6-3, 6-0 e 7-5, numa partida cheia de alternativas.

Federer, que sofreu muito com as sombras de fim de tarde na Rod Laver Arena, fará sua 23a semifinal consecutiva de Grand Slam. Seu adversário será Novak Djokovic ou Jo-Wilfriend Tsonga.

A vitória de Serena também foi de virada - 4-6, 7-6 e 6-2, contra a bielorrussa Victoria Azarenka. Ela chegou a estar perdendo de 4-0 no segundo set. "Estou surpresa. Não esperava vencer quando eu estava atrás no segundo set. Achei que se perdesse nas simples e duplas poderia pegar um voo na sexta-feira. Não é o que uma campeã deve pensar, mas pensei", disse a norte-americana depois do jogo.

Sua irmã mais velha esteve muito perto de lhe fazer companhia nas semifinais. Chegou a estar a dois pontos da vitória, mas permitiu que Li virasse o jogo - 2-6, 7-6 e 7-5. O resultado mantém a possibilidade, há pouco tempo inimaginável, de uma final 100 por cento chinesa, envolvendo Li e Zheg Jie, que na véspera derrotou Maria Kirilenko e enfrentará Justine Henin na semifinal.

Milhões de chineses têm acompanhado as partidas das duas tenistas pela TV, e Li disse que vai adotar uma abordagem filosófica para a sua semifinal contra Serena. "Na China, dizemos que se você tem dificuldades e se recupera, talvez tenha boa sorte depois. Então ainda acredito nisso."

 
<p>O sui&ccedil;o Roger Federer comemora ap&oacute;s derrotar o russo Nikolay Davydenko nas quartas-de-final no Aberto da Austr&aacute;lia. Roger Federer e Serena Williams precisaram lutar muito na quarta-feira para se manter vivos no Aberto da Austr&aacute;lia. REUTERS/Tim Wimborne 27/01/2010</p>