McLaren quer deixar 2009 para trás com novo modelo

sexta-feira, 29 de janeiro de 2010 15:52 BRST
 

NEWBURY, Inglaterra (Reuters) - A McLaren cometeu um raro ato falho nesta sexta-feira momentos depois de se declarar mais preparada do que nunca para a temporada de Fórmula 1 que se aproxima.

O chefe da equipe, Martin Whitmarsh, revelou que o novo MP4-25, consideravelmente maior que o carro do ano passado, provocou dor de cabeça quando foi necessário movimentá-lo pela fábrica da equipe.

"Esse carro foi finalizado na noite passada, fomos colocá-lo no elevador da nossa fábrica, que foi desenhada para carros, e ele não coube. Era muito grande e não tínhamos percebido", disse ele. Os funcionários da equipe tiveram de usar uma saída alternativa.

O novo carro é mais longo para acomodar novos desenvolvimentos aerodinâmicos e um tanque de combustível que dobrou de tamanho por conta do fim do reabastecimento.

A McLaren manteve o difusor traseiro, que causou controvérsia na temporada passada, quando uma versão dupla foi introduzida pela então Brawn GP, que viria a ganhar o campeonato.

As equipes já chegaram a um acordo para proibir o equipamento a partir de 2011.

O britânico Jenson Button, campeão do mundo em 2009 com a Brawn, levou o número 1 para a McLaren nesta temporada na esperança de que a equipe não enfrentará os mesmos problemas do ano passado, quando começou a melhorar seu desempenho só a partir da metade da temporada.

"Nos preparamos para esta temporada de maneira mais abrangente do que fizemos em qualquer outra oportunidade", disse Whitmarsh.

Companheiro de Button na McLaren, o também britânico Lewis Hamilton, mostrou-se empolgado com o que viu: "O carro parece bem diferente, completamente diferente", disse. "Tenho certeza de que vai se comportar de forma totalmente diferente do que o carro do ano passado."

O piloto de testes da McLaren Gary Paffett dará a primeira volta do novo modelo em Valência, na Espanha, na segunda-feira.

(Reportagem de Alan Baldwin)

 
<p>McLaren apresentou carro para a temporada 2010 de F&oacute;rmula 1. REUTERS/Kieran Doherty</p>