Por motores maiores, Rossi pode ficar na MotoGP

quinta-feira, 4 de fevereiro de 2010 10:56 BRST
 

LONDRES (Reuters) - O campeão mundial da MotoGP Valentino Rossi disse que a adoção de motores mais poderosos em 2012 pode convencê-lo a permanecer na categoria.

O italiano acrescentou em entrevista conduzida por sua equipe Yamaha, antes do primeiro teste da temporada na Malásia, que dificilmente irá correr na Fórmula 1, apesar de ter recentemente testado uma Ferrari novamente.

"Teoricamente estou muito feliz de voltar às mil cilindradas, porque gosto mais do que a 800 cilindradas e é mais difícil", disse o piloto de 30 anos sobre a mudança proposta para a categoria.

"É claro que teremos de ver como o regulamento técnico será para esses motores, e teremos de ver se eles são rápidos e divertidos de pilotar como eram em 2006. De qualquer modo, voltar às mil cilindradas é um desafio importante, no que diz respeito à minha motivação, e pode me convencer a permanecer na MotoGP por mais tempo."

Mas o italiano não gostou de uma regra para 2010 que restringe os pilotos a seis motores por temporada, uma medida de contenção de custos semelhante à que já foi adotada na Fórmula 1.

Para ele, o limite "não é suficiente". "Se tivermos oito ou dez (motores) seria mais fácil e menos arriscado", afirmou.

No mês passado, Rossi testou pela sexta vez um carro da F1, com tempos convincentes.

Dono de nove títulos mundiais nas motos, Rossi tem contrato com a Yamaha até o final do ano, e já falou em passar para as quatro rodas - provavelmente disputando ralis.

"Fiz outro teste com um carro de F1 da Ferrari em Barcelona, foi ótimo. Eu me diverti e foi um ótimo teste, com ótimos tempos de volta, mas acho que será difícil me verem na Fórmula 1."

(Reportagem de Alan Baldwin)

 
<p>O italiano Valentino Rossi da Yamaha na MotoGP testa sua moto no teste da pr&eacute;-temporada de 2010 no circuito Sepang, pr&oacute;ximo a Kuala Lumpur. O campe&atilde;o mundial da MotoGP disse que a ado&ccedil;&atilde;o de motores mais poderosos em 2012 pode convenc&ecirc;-lo a permanecer na categoria. REUTERS/Bazuki Muhammad 04/02/2010</p>