4 de Fevereiro de 2010 / às 18:40 / 8 anos atrás

Sindicatos ameaçam realizar protestos na Copa por mascote

<p>Sindicatos da &Aacute;frica do Sul t&ecirc;m amea&ccedil;ado atrapalhar a Copa do Mundo por causa de uma acusa&ccedil;&atilde;o de que o mascote do campeonato, Zakumi (foto), estaria sendo produzido em uma f&aacute;brica chinesa que explora seus funcion&aacute;rios. REUTERS/Siphiwe Sibeko 22/11/2008</p>

JOHANESBURGO (Reuters) - Sindicatos da África do Sul têm ameaçado atrapalhar a Copa do Mundo por causa de uma acusação, que vem sendo investigada pela Fifa, de que o mascote do campeonato estaria sendo produzido em uma fábrica chinesa que explora seus funcionários.

A Global Brand Group (GBG), a empresa que gerencia as marcas para a Fifa, disse num comunicado ter tomado conhecimento de uma reportagem da mídia britânica sobre a fábrica chinesa que produz uma roupa do Zakumi, o leopardo de cabelo verde que é o mascote da Copa.

“A GBG tomou as medidas apropriadas para contratar a Intertek, a maior organização do mundo para certificação, inspeção e testes independentes, a fim de conduzir uma inspeção imediata e uma auditoria de adequação social e ética”, disse o comunicado.

O documento afirmou que nenhuma questão havia sido levantada com relação à companhia anteriormente, mas acrescentou que o fabricante não produz nenhum dos outros brinquedos, produtos ou mercadorias do Zakumi.

A fabricação do mascote e de outros brinquedos relacionados na China e as acusações de exploração desagradaram os sindicatos da África do Sul, onde o desemprego oficial fica perto dos 25 por cento.

O jornal britânico News of the World divulgou em janeiro que a fábrica pagava aos seus funcionários salários “lamentáveis” e os forçava a trabalhar em péssimas condições.

A federação do trabalho Cosatu, poderoso aliado do Congresso Nacional Africano, exigiu uma investigação e ameaçou atrapalhar a copa.

“A Cosatu tem exigido de forma consistente que toda a parafernália da Copa do Mundo seja fabricada na África do Sul de forma que possamos criar empregos e herdar um legado do torneio que melhorará, de forma permanente, a vida dos trabalhadores sul-africanos”, disse a federação em comunicado.

“Os consumidores sul-africanos, achando que estão fazendo um gesto patriótico comprando o mascote caro, não estão cientes de onde ele vem e como é produzido.”

Um ramo regional da federação afirmou que pediria o boicote das vendas do mascote e protestaria em todos os eventos da Fifa ou da Copa do Mundo na Cidade do Cabo -- que sediará oito partidas, incluindo uma semifinal, e sofreu aumento no desemprego no setor têxtil -- “até que a Fifa se comporte de forma ética.”

A GBG afirmou que a Fifa procurou os melhores fabricantes e distribuidores para todos os produtos da Copa.

“Sempre que possível, a primeira escolha de produção é a África do Sul, porém, nos casos onde isso é impossível, parceiros fabricantes internacionais são considerados,” afirmou.

Reportagem de Gordon Bell

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below