4 de Março de 2010 / às 17:14 / 7 anos atrás

Sindicatos da África do Sul ameaçam começar greve antes da Copa

Por Peroshni Govender

JOHANESBURGO (Reuters) - A poderosa federação de sindicatos da África do Sul ameaçou realizar greves antes de outubro em razão do aumento no preço da eletricidade e cogitou começar o protesto antes da Copa do Mundo em junho.

"A última coisa que queremos fazer é atrapalhar a Copa do Mundo, mas nosso interesse é maior que a Copa do Mundo", disse o secretário-geral da Cosatu, Zwelinzima Vavi, a jornalistas.

A Cosatu, consumidores e empresas criticaram a decisão da agência reguladora de energia de permitir que a estatal Eskom aumentasse o preço médio da energia em mais de 25 por cento por ano ao longo dos próximos três anos para financiar um aumento na capacidade, algo bastante necessário.

Vavi disse a jornalistas que a federação consultaria seus membros em março e abril a fim de discutir uma ação de protesto.

A Cosatu -- que tem quase dois milhões de membros pagantes -- já convocou uma greve para outubro, que os sindicatos são obrigados a seguir de acordo com a lei trabalhista sul-africana, mas Vavi afirmou que eles poderão convocar um protesto mais cedo.

"Talvez façamos uma grave antes disso", afirmou.

Qualquer greve antes ou durante a Copa do Mundo de futebol poderia minar a esperança da África do Sul de usar o maior evento esportivo já realizado no continente para exibir o país no exterior e atrair turistas e investimentos no longo prazo.

O descontentamento em relação ao aumento no preço da energia é generalizado em toda a África do Sul. Este ano, o aumento será de 24,8 por cento e, nos anos seguintes, poderá ser ainda maior.

O aumento foi pouco abaixo da solicitação da Eskom para um aumento anual de 35 por cento nos próximos três anos.

Mas os críticos afirmam que o aumento poderá elevar a expectativa de inflação e diminuir ainda mais o ritmo da recuperação do crescimento no setor privado após a primeira recessão em quase duas décadas.

A Eskom quer obter 461 bilhões de rands (62 bilhões de dólares) para construir mais usinas e evitar a ocorrência de blecautes, como os que prejudicaram a indústria de mineração em 2008.

O diretor executivo da estatal, Mpho Makwana, disse à Reuters em Londres, na quinta-feira, que as luzes permaneceriam acesas durante as partidas de futebol.

"No que diz respeito à Copa do Mundo, estamos garantidos", disse.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below