Patinação sul-coreana pode render bilhões ao país

terça-feira, 9 de março de 2010 10:28 BRT
 

SEUL (Reuters) - A incrível vitória de Kim Yuna na Olimpíada de Inverno do mês passado em Vancouver irá não só impulsionar a carreira da campeã de patinação como também ajudará a somar bilhões de dólares à economia sul-coreana.

O economista Lee Dong-hun, do Instituto Samsung de Pesquisa Econômica, estimou que a quarta maior economia da Ásia irá se beneficiar em exatos 20,1768 trilhões de wons (17,82 bilhões de dólares) com a excelente campanha de seus atletas em Vancouver.

A Coreia do Sul ficou em quinto lugar no quadro de medalhas, sua melhor posição na história, com seis ouros, seis pratas e dois bronzes. Todas as medalhas vieram da patinação, o que incluiu o recorde mundial da "Rainha Yuna", de 19 anos, na patinação artística.

"O esplêndido feito do país nos Jogos de Inverno de 2010 irá reforçar o 'soft power' ('poder suave'), um pré-requisito para se tornar um país avançado", escreveu Lee em um relatório.

"Após assistirem ao desempenho de Kim Yuna, os coreanos podem ter experimentado uma sensação mais elevada de autoconfiança, o que encoraja a crença de que, reunindo suas capacidades, os coreanos podem obter qualquer coisa."

Num país quase inigualável no que diz respeito à produção de estatísticas, Lee dividiu os benefícios financeiros em áreas como maior reconhecimento das marcas das empresas locais e estímulo às exportações e à demanda doméstica.

Foram computados também 3,3 trilhões de wons em efeitos indiretos, como a melhora no moral da população.

Para o economista, isso deve servir de motivação adicional para que a Coreia do Sul tente realizar a Olimpíada de Inverno de 2018. A localidade de Pyeongchang é candidata pela terceira vez consecutiva, depois de perder para Vancouver e Sochi (Rússia) a chance de organizar os eventos em 2010 e 14.

(Reportagem de Jonathan Thatcher)

 
<p>Patinadora sul-coreana Kim Yu-na treina nos Jogos Ol&iacute;mpicos de Inverno em Vancouver. A incr&iacute;vel vit&oacute;ria de Kim Yuna no m&ecirc;s passado ir&aacute;, al&eacute;m de impulsionar a carreira da campe&atilde;, ajudar a somar bilh&otilde;es de d&oacute;lares &agrave; economia sul-coreana. 22/02/2010 REUTERS/Lyle Stafford</p>