Parreira diz que Adriano arrisca ficar fora da Copa

quarta-feira, 10 de março de 2010 14:56 BRT
 

Por Pedro Fonseca

TERESÓPOLIS (Reuters) - Depois de ver ruir na reta final uma preparação bem-sucedida da seleção em 2006 por problemas fora de campo, Carlos Alberto Parreira alertou o atacante Adriano que ele corre risco de ficar fora do Mundial deste ano se não resolver as questões pessoais.

Parreira, treinador da seleção anfitriã da Copa da África do Sul deste ano, disse nesta quarta-feira que o atacante pode ser um dos grandes nomes da competição. Para isso, no entanto, precisa entrar em forma e resolver os problemas fora das quatro linhas que fizeram com que ele disputasse apenas metade dos jogos do Flamengo na temporada.

"Ele é um jogador de potencial muito grande, que faz a diferença, já fez a diferença na seleção na Copa América e na Copa das Confederações, mas precisa acertar a vida dele fora de campo", disse Parreira a jornalistas após comandar treino da África do Sul em Teresópolis (RJ), onde a equipe começou esta semana uma preparação para o Mundial.

"Se ele resolver os problemas, o Dunga pode contar que ele resolve dentro de campo. Mas ele está correndo até o risco de uma não convocação", acrescentou Parreira, que disse lamentar o que tem acontecido com o atacante.

Adriano, de 28 anos, que parecia ter deixado para trás os problemas pessoais que o levaram a cogitar encerrar a carreira há um ano, não se reapresentou para treinar no Flamengo após o amistoso do Brasil contra a Irlanda, em Londres, há uma semana.

A falta se somou a outras desde o começo do ano e o agente do jogador, Gilmar Rinaldi, reconheceu que os recentes episódios deixaram o jogador "em alerta" para a Copa do Mundo, a menos de dois meses da convocação do técnico Dunga para Mundial.

Com Parreira como técnico do Brasil, Adriano foi o artilheiro e melhor jogador nas conquistas da Copa América de 2004 e da Copa das Confederações de 2005, mas a derrota para a França nas quartas-de-final do Mundial da Alemanha colocou um ponto final numa campanha que ficou marcada pelos problemas antes do Mundial.

O treinador, ainda hoje alvo de críticas pelo período em que a seleção passou na Suíça antes da Copa, defendeu-se afirmando que os problemas surgiram apenas na reta final da preparação para a Copa, quando já era tarde demais para resolver.

"Durante três anos e meio foi perfeito. O último pedacinho não aconteceu da maneira que a gente desejava por uma série de razões que todos conhecem. O jogador chega acima do peso, desgastado pelas competições europeias, e no último estágio não tinha mais como recuperar", afirmou.

Dunga, que assumiu o time no lugar de Parreira após o Mundial da Alemanha, tem como uma de suas bandeiras na seleção impedir a repetição dos problemas que aconteceram em 2006 e frequentemente critica a preparação daquela equipe treinada por Parreira.

 
<p>T&eacute;cnico da sele&ccedil;&atilde;o sul-africana de futebol, Carlos Alberto Parreira, comanda equipe durante treino em Teres&oacute;polis.. REUTERS/Sergio Moraes</p>