March 25, 2010 / 9:31 PM / 7 years ago

Ministro diz que cidades precisam apressar obras para Copa-2014

3 Min, DE LEITURA

<p>Foto de arquivo do est&aacute;dio Morumbi, que ser&aacute; reformado para a Copa do Mundo de 2014 no Brasil.Rickey Rogers</p>

RIO DE JANEIRO (Reuters) - O ministro do Esporte, Orlando Silva, cobrou nesta quinta-feira pressa nas obras dos estádios que vão receber jogos da Copa do Mundo de 2014 e sinalizou que pode haver corte no número de cidades-sedes do Mundial se os preparativos não avançarem.

O ministro lembrou que a maioria das 12 cidades não cumpriu o prazo inicial de março para o início das obras das novas arenas e que já houve um chamado da Fifa cobrando celeridade no processo.

"As cidades precisam adiantar o serviço, apertar o passo e cumprir com as etapas de contratação (de empréstimos para as obras)", disse o ministro a jornalistas durante evento no BNDES com a ministra britânica da Olimpíada de 2012, Tessa Jowell.

"A Copa acontece em 8 cidades (no mínimo). Doze foi um apelo que o Brasil fez para que o país inteiro pudesse participar. É preciso apertar o passo, cumprir os compromissos com a Fifa para que a Copa seja um sucesso", acrescentou.

Belo Horizonte, Brasília, Cuiabá, Curitiba, Fortaleza, Manaus, Natal, Porto Alegre, Recife, Rio de Janeiro, Salvador e São Paulo foram as 12 cidades escolhidas pela Fifa para receber jogos do Mundial. Inicialmente a intenção da federação internacional era escolher 10 sedes, mas um pedido do Brasil para que 12 cidades fossem incluídas foi acatado.

Todas as cidades terão acesso a uma linha de financiamento do BNDES para construir ou reformar seus estádios de até 400 milhões de reais cada. Mas, segundo o ministro, o processo junto ao Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social "ainda tem um ritmo lento".

"Se tem um tema que a Copa não prescinde é estádio. Esse é um tema que merece atenção", disse. "O comitê local da Fifa já chamou a atenção das cidades e 3 de maio é um novo prazo para avaliarmos os estádios."

Ao ser questionado diretamente o que poderia acontecer com as cidades que não cumprissem os prazos fixados com a Fifa, o ministro disse que "era melhor deixar para falar em 4 de maio".

Silva lembrou ainda que o calendário eleitoral deste ano impõe o dia 3 de junho como data "fatal" para o repasse de verbas federais para as cidades. "Imagino que as cidades estejam mais preocupadas que o governo federal."

Por Pedro Fonseca e Rodrigo Viga Gaier

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below