Fifa começa a vender ingressos para Copa em supermercados

quarta-feira, 14 de abril de 2010 12:34 BRT
 

Por Mark Gleeson

JOHANESBURGO (Reuters) - Os torcedores sul-africanos vão poder comprar meio milhão de ingressos para as partidas da Copa do Mundo deste ano em dinheiro vivo, depois de a Fifa ter concordado, nesta quarta-feira, a abrir mão da norma pela qual só podiam ser comprados online ou através de sorteio.

A fase vinal das vendas de ingressos para a Copa, que começa em junho, terá pontos de vendas de ingressos em shopping centers nas nove cidades que vão sediar jogos e também em uma rede de supermercados populares.

Ainda há ingressos disponíveis para todas as 64 partidas exceto a final, que será disputada no Soccer City, em Johanesburgo, em 11 de julho.

Será a primeira vez que os torcedores poderão comprar ingressos em dinheiro vivo -- o método preferido dos torcedores sul-africanos, muitos dos quais vivem com baixa renda.

Até agora a Fifa vinha insistindo em vender os ingressos através de seu site na Internet ou através de um procedimento complexo envolvendo urnas em uma agência de um banco local.

Muitos sul-africanos se queixaram que o processo excluía as pessoas que não têm acesso à Internet, cartão de crédito ou renda disponível para comprar seus ingressos com meses de antecedência.

"Para esta última fase, fizemos um grande esforço para beneficiar os torcedores, lançando vários meios adicionais para comprar ingressos", disse o secretário-geral da Fifa, Jerome Valcke.

"Queremos facilitar o processo para todos os torcedores e lhes proporcionar esta última oportunidade de assistir às partidas e viver a emoção desta primeira Copa do Mundo realizada na África."   Continuação...

 
<p>Bola de futebol gigante &eacute; exposto em Sandton, Johanesburgo. Torcedores sul-africanos poder&atilde;o comprar meio milh&atilde;o de ingressos para as partidas da Copa do Mundo deste ano em dinheiro vivo, depois de a Fifa ter concordado, nesta quarta-feira, a abrir m&atilde;o da norma pela qual s&oacute; podiam ser comprados online ou atrav&eacute;s de sorteio. 14/04/2010 REUTERS/Mike Hutchings</p>