Fifa garante que não haverá lugares vazios na Copa do Mundo

terça-feira, 27 de abril de 2010 11:11 BRT
 

Por Karolos Grohmann

DUBAI (Reuters) - Não haverá lugares vazios nas partidas da Copa do Mundo na África do Sul este ano, disse a Fifa nesta terça-feira, depois de um aumento grande recente nas vendas ter ajudado a esgotar os ingressos para cerca de 40 partidas.

"Não haverá lugares vagos nos estádios. Isso foi um compromisso que assumimos desde o primeiro momento", disse à Reuters o secretário-geral da Fifa, Jerome Valcke. "Estou muito mais otimista hoje do que estava há três semanas."

O organismo que rege o futebol mundial admitiu que seu sistema de vendas de ingressos pela Internet para a Copa, que começa em 11 de junho, pode não ter sido muito eficiente.

As vendas de ingressos diretamente aos consumidores começaram na África do Sul há dez dias, desencadeando pela primeira vez uma verdadeira febre de Copa no país e provocando caos quando milhares de fãs correram para comprar suas entradas, levando à queda do sistema computadorizado.

"As pessoas estão despertando tarde para a Copa, mas estamos muito satisfeitos com os resultados, e todas as pessoas envolvidas estão muito confiantes", disse Valcke, falando nos bastidores de uma conferência internacional de esportes nos Emirados Árabes Unidos.

Ele disse que cerca de 130 mil ingressos ainda estão disponíveis para a etapa final da Copa, a quinta, mas que os ingressos para cerca de 40 das 64 partidas já estão esgotados.

"Faltando mais ou menos 45 dias para o início da Copa, já temos 40 partidas com os ingressos esgotados, contra 29 há pouco tempo", disse Valcke.

A Fifa havia inicialmente disponibilizado os ingressos apenas na Internet e foi criticada por não ter entendido os costumes da África do Sul, onde os torcedores negros pobres que são os maiores entusiastas do futebol não têm acesso a computadores ou contas bancárias.

As vendas de ingressos a alguns países europeus, incluindo a Alemanha, também vêm sendo fracas em comparação com Copas passadas, devido aos custos altos de viagens e às preocupações de segurança dos torcedores comuns.