11 de Maio de 2010 / às 22:34 / 7 anos atrás

Adriano silencia diante de lista de Dunga; Kléberson comemora

Por Rodrigo Viga Gaier

RIO DE JANEIRO (Reuters) - O atacante Adriano optou pelo silêncio e procurou apoio de psicólogo, procurador e pessoas próximas para tentar superar a frustração de ter ficado de fora da lista do técnico Dunga para a Copa do Mundo da África do Sul.

O atacante do Flamengo assistiu à convocação acompanhado da mãe, Rosilda, e do procurador, Gilmar Rinaldi.

Segundo pessoas próximas ao atleta, ao ver que ficou de fora da convocação, o jogador chorou e foi confortado pelos dois.

Em seguida, ele seguiu para o treino do Flamengo, onde era aguardado por dezenas de repórteres. Adriano treinou normalmente para a partida de quarta-feira contra o Universidad do Chile, pela Copa Libertadores, e conversou com o psicólogo do clube, Paulo Ribeiro.

Ao psicólogo, disse que estava triste e reconheceu que problemas extra-campo teriam influenciado na decisão de Dunga. Adriano faltou a alguns treinamento e participou de cerca de metade dos jogos do Flamengo no ano.

“Ele não está arrependido do que fez. Ele é uma pessoa doce, alegre e representa muito para o Flamengo”, disse Ribeiro.

“Tentei mostrar para ele que ele é um profissional vitorioso, de inúmeras conquistas e cabe a ele, agora, justificar o título de Imperador”, acrescentou o psicólogo sobre o apelido que o atacante ganhou quando atuava na Itália.

Ribeiro não acredita que Adriano irá mergulhar numa fase depressiva que possa atrapalhar seu desempenho daqui para frente.

“Não acredito nisso. Ele tem 28 anos mas, apesar de novo, é um profissional maduro que já passou por bons maus momentos na sua vida”, disse.

Para evitar o contato com o atacante, a diretoria do Flamengo montou um cordão de isolamento formado por seguranças para que ele pudesse deixar o treino em silêncio.

Adriano deixou o CT do clube no início da noite acompanhado pelo procurador e por vários assessores.

A tristeza do atacante contrastava com a felicidade do meia rubro-negro Kléberson, chamado para sua segunda Copa do Mundo.

“Para chegar até aqui foi muito difícil. Passei por momentos complicados mas nunca desisti. Sempre acreditei, trabalhei e mantive meu empenho. É uma alegria e um momento muito especial conseguir a chance de jogar a segunda Copa do Mundo”, disse Kléberson, campeão mundial em 2002 na Coreia do Sul e no Japão.

Kléberson afirmou que conversou com Adriano e deu apoio ao companheiro de time. “Não acho que isso vá atrapalhar o desempenho dele. Adriano é um grande atleta, competente e experiente”, finalizou.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below