Militante da Al Qaeda diz que ataque à Copa foi uma "ideia"

quarta-feira, 19 de maio de 2010 18:16 BRT
 

Por Waleed Ibrahim

BAGDÁ (Reuters) - Um suposto militante da Al Qaeda preso recentemente no Iraque disse que havia sugerido à organização realizar ataques contra os torcedores e as seleções da Dinamarca e Holanda na Copa do Mundo da África do Sul, para vingar insultos contra o profeta Maomé.

Abdullah Azzam al-Qahtani, que segundo as autoridades iraquianas é cidadão saudita, disse em entrevista transmitida na quarta-feira pela TV Al Hurra, financiada pelos EUA, que o ataque à Copa foi "uma ideia".

"Se os dinamarqueses e holandeses se classificarem para a Copa do Mundo, podemos atacá-los, ou durante as eliminatórias", disse Qahtani, que aparece com uniforme vermelho de presidiário, num breve trecho da entrevista exibido pela Al Hurra.

"Foi uma ideia de um complô. Não havia detalhes, porque não sabíamos o que aconteceria no terreno. Poderíamos usar bombas ou armas para atacar os torcedores dos times dinamarquês e holandês."

A emissora disse que a motivação seria vingar caricaturas publicadas na Dinamarca ironizando o profeta Maomé, e as declarações do político holandês Geert Wilders de que o Alcorão provoca violência.

A polícia sul-africana afirmou na quarta-feira que tem condições de garantir a segurança de todas as seleções e de todos os torcedores que forem à Copa, de 11 de junho a 11 de julho.

Ao saber do plano, a chancelaria holandesa disse estar preparando um alerta de "ameaça terrorista" para o torneio.

Qahtani foi preso em 3 de maio, mas o fato só foi anunciado na segunda-feira. Na ocasião, o militante foi descrito como um ex-tenente do Exército saudita, que estaria preparando atentados contra mesquitas xiitas em Najaf e Kerbala.   Continuação...