20 de Maio de 2010 / às 18:40 / 7 anos atrás

Após badalação de Weggis, seleção se isola antes da Copa

<p>Bandeiras promovem Copa da &Aacute;frica do Sul, que come&ccedil;ar&aacute; no dia 11 de junho. Ap&oacute;s erros, Fifa mudar&aacute; sistema de venda de ingressos para o torneio no Brasil, em 2014.Siphiwe Sibeko</p>

Por Pedro Fonseca

CURITIBA (Reuters) - A seleção brasileira vai colocar em prática a partir de sexta-feira, quando começa sua preparação para a Copa do Mundo, um plano para isolar os jogadores e evitar a exposição e o oba-oba que foram consideradas responsáveis pelo fracasso do país no Mundial de 2006.

Desde que assumiu a equipe, logo após a derrota para a França nas quartas-de-final da Copa da Alemanha, o técnico Dunga sempre citou o badalado período de treinos do Brasil em Weggis, na Suíça, como um exemplo do que não poderia voltar a acontecer, e a blindagem promete afetar tanto a torcida quanto a mídia.

"Tudo o que observei e tudo o que falaram (sobre Weggis), é lógico que não vamos deixar que aconteça", afirmou Dunga após anunciar a convocação dos jogadores para a Copa, na semana passada.

"Só peço para os torcedores acreditarem e confiarem. E pedir desculpas, porque eles não terão tanta informação sobre a seleção brasileira. Peço um pouco de paciência para o torcedor porque precisamos de privacidade, sem oba-oba, sem confusão", acrescentou.

Se em Weggis os treinos do Brasil tinham ingressos à venda, inclusive com presença de escolas de samba, o centro de treinamento do Atlético Paranaense, escolhido agora para abrigar a primeira fase da preparação brasileira, tem como característica a privacidade que reserva aos jogadores.

Com oito campos à disposição, Dunga poderá realizar atividades longe dos olhares da torcida e da imprensa, e o local ainda conta com toda a estrutura necessária para as avaliações médicas e físicas, o que significa que nenhum jogador precisará sair da concentração durante os seis dias.

O local foi escolhido em detrimento da Granja Comary, centro de treinamento oficial da seleção em Teresópolis (RJ), onde os jogadores têm contato direto com repórteres e os treinos sempre são acompanhados por centenas de torcedores.

Quando chegar à África do Sul, o isolamento dos jogadores será mantido. O hotel que servirá como base da equipe, em Johanesburgo, levantou uma cerca para separar o espaço reservado à equipe de um campo de golfe que faz parte do complexo.

O acesso ao hotel será permitido apenas aos integrantes da comitiva da CBF, que serão os únicos hóspedes durante o Mundial.

Ao contrário de 2006, quando jogadores foram flagrados curtindo a noite durante a preparação, desta vez eles serão controlados com mais rigor.

A decisão de isolar a seleção, com respaldo do presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), Ricardo Teixeira, também promete afetar em cheio a cobertura jornalística da seleção, em especial por parte das emissoras de tevê que, em Weggis, transmitiam todos os treinos da seleção ao vivo.

Já durante as eliminatórias o técnico Dunga passou a proibir imagens de seus treinamentos e a restringir as entrevistas concedidas pelos jogadores.

Até o voo da seleção, que tradicionalmente levava junto os jornalistas que cobrem a equipe, agora teve o número de convidados bastante reduzido a pedido da comissão técnica.

"Vai ser a cobertura de Copa do Mundo mais fechada dos últimos tempos", alertou o assessor de imprensa da CBF, Rodrigo Paiva.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below