Sob "mandinga da boa sorte", seleção frustra torcida em Curitiba

sexta-feira, 21 de maio de 2010 13:22 BRT
 

Por Pedro Fonseca

CURITIBA (Reuters) - Uma fumaça verde cobriu a multidão de torcedores que se aglomerou na entrada do centro de treinamento utilizado pela seleção brasileira, enquanto um pai-de-santo vestido a caráter e fumando charuto fazia um trabalho que garantiu que levará o Brasil ao hexa.

A expectativa da torcida de ver os jogadores que se apresentaram para o primeiro dia da preparação do Brasil para a Copa do Mundo, nesta sexta-feira, foi frustrada pelo plano de isolamento montado pela Confederação Brasileira de Futebol

(CBF).

Os jogadores foram levados diretamente da pista do aeroporto de Curitiba para o interior do CT do Atlético Paranaense. Apenas o atacante Nilmar, primeiro a chegar, passou desavisado pelo saguão e concedeu alguns autógrafos.

Centenas de fãs no saguão do aeroporto e no portão de entrada do local de concentração da equipe reclamaram por não terem conseguido ver os jogadores.

"Eles vão precisar dessa energia, pode apostar que vai fazer falta", disse a assistente social Albertina Schubert, curitibana de 62 anos, que foi ao aeroporto vestida com a camisa da seleção e uma faixa verde-amarela no cabelo.

"A seleção brasileira é do povo. É uma pena que eles não tenham esse contato com o povo, que confia e precisa tanto dessa seleção," disse ele, refletindo a insatisfação de centenas de pessoas.

Entre os 23 jogadores convocados pelo técnico Dunga, apenas não se apresentaram ainda o trio da Inter de Milão Julio César, Maicon e Lúcio. O time joga no sábado a final da Liga dos Campeões contra Bayern de Munique, e o volante do Flamengo Kléberson, que disputou partida da Copa Libertadores na noite de quinta-feira, em Santiago, contra a Universidade de Chile.   Continuação...