Campeões de 2002 defende isolamento da seleção

domingo, 23 de maio de 2010 15:18 BRT
 

Por Pedro Fonseca

CURITIBA (Reuters) - Os volantes Kléberson e Gilberto Silva, campeões do mundo há oito anos, defenderem a decisão do técnico Dunga de isolar a seleção brasileira da torcida e da mídia na preparação para a Copa do Mundo, mas destacaram diferenças dos métodos em relação ao treinador do título de 2002, Luiz Felipe Scolari.

Enquanto a chamada "Família Scolari" tinha uma maior liberdade durante a concentração e estava bem mais próxima da mídia, sob o comando de Dunga os atletas estão totalmente isolados no centro de treinamento do Atlético-PR, em Curitiba, com o mínimo de contato com os repórteres que acompanham a seleção.

"São treinadores diferentes, cada um tem uma filosofia de trabalhar, tanto o Felipão como o Dunga, apesar de os dois serem gaúchos," disse Kléberson, titular do Brasil de 2002 e que voltou a seleção na reta final antes do Mundial da África do Sul.

O isolamento implantado por Dunga, uma consequência da abertura excessiva em Weggis que foi vista como causa do fracasso de 2006 na Alemanha, inclui a proibição do acesso de torcedores aos treinos, um veto aos comediantes que costumavam acompanhar a seleção e a escolha de apenas dois jogadores por dia para conversar com os jornalistas.

Mas para o experiente Gilberto Silva, que esteve presente tanto no título de 2002 como na derrota para a França nas quartas-de-final de 2006, a decisão do treinador deve ser vista como uma forma de buscar o melhor para a seleção.

"Não vejo blindagem. Se os jornalistas que estão aqui hoje fossem acompanhar qualquer outra seleção lá fora, teriam até mais dificuldade para encontrar notícias," afirmou o volante, lembrando também o trauma da Copa passada.

"A gente também está calejado com o que aconteceu em 2006," acrescentou o ex-jogador do Arsenal, ao lado de Kléberson, na única entrevista coletiva do dia.

Gilberto Silva e Kléberson estão entre os sete jogadores de meio-campo convocados por Dunga com características defensivas. A ausência de homens de criação é justamente uma das principais críticas que se faz a lista de 23 nomes do treinador, mas eles garantiram que a seleção está preparada para alcançar seu objetivo.   Continuação...

 
<p>O jogadores da sele&ccedil;&atilde;o brasileira Gilberto Silva (dir.) e Kl&eacute;berson chegam a uma coletiva de imprensa em Curitiba. Os dois volantes, campe&otilde;es do mundo h&aacute; oito anos, defenderem a decis&atilde;o do t&eacute;cnico Dunga de isolar a sele&ccedil;&atilde;o brasileira da torcida e da m&iacute;dia na prepara&ccedil;&atilde;o para a Copa do Mundo, mas destacaram diferen&ccedil;as dos m&eacute;todos em rela&ccedil;&atilde;o ao treinador do t&iacute;tulo de 2002, Luiz Felipe Scolari. 23/05/2010 REUTERS/Paulo Whitaker</p>