África do Sul enfrenta mais protestos antes da Copa do Mundo

sexta-feira, 28 de maio de 2010 13:03 BRT
 

Por Agnieszka Flak

JOHANESBURGO (Reuters) - O partido governista sul-africano CNA rejeitou nesta sexta-feira as ameaças de uma greve nacional durante a Copa do Mundo, mas uma nova manifestação parecia se aproximar depois que um sindicato de mineiros disse que 3 mil trabalhadores entrariam em greve na produtora de diamantes De Beers.

O secretário-geral do Congresso Nacional Africano (CNA), Gwede Mantashe, disse que o partido não esperava nenhuma greve durante o principal evento esportivo do mundo.

A federação de sindicatos Cosatu, forte aliada do CNA com quase 2 milhões de membros, disse que poderá entrar em greve durante a Copa do Mundo contra os grandes aumentos no preço de energia se autoridades não diminuírem as tarifas.

Qualquer greve poderia atrapalhar os serviços e constranger o governo do presidente Jacob Zuma, que está sediando a primeira Copa do Mundo do continente.

"Aceitamos isto como um voto de confiança de que não haverá greves durante a Copa do Mundo", disse Montashe à imprensa em Londres.

Uma nova greve parecia se aproximar depois que o Sindicato Nacional de Mineiros --o maior sindicato do país-- disse que 3 mil trabalhadores em De Beers, na qual a Anglo American Plc tem participação, entrariam em greve pelo aumento de salários no domingo.

De Beers, a maior produtora de diamantes, disse que negociações sobre salário ainda estavam acontecendo e que o chamado de greve do sindicato era prematuro.

Economistas criticaram os sindicatos por usarem a Copa do Mundo para exigir aumento de salários acima do índice de inflação de 5,1 por cento, e disseram que uma greve no setor de transportes pode ter custado 7 bilhões de rands (914,3 milhões de dólares) à África do Sul, em perdas na produção e vendas.

 
<p>Julius Malema, l&iacute;der da liga da juventude da CNA, fala com a m&iacute;dia na sede da entidade em Johanesburgo, em abril. O partido governista sul-africano CNA rejeitou nesta sexta-feira as amea&ccedil;as de uma greve nacional durante a Copa do Mundo, mas uma nova manifesta&ccedil;&atilde;o parecia se aproximar depois que um sindicato de mineiros disse que 3 mil trabalhadores entrariam em greve na produtora de diamantes De Beers. 08/04/2010 REUTERS/Peter Andrews</p>