Kaká e Felipe Melo se abraçam em treino para encerrar polêmica

segunda-feira, 31 de maio de 2010 12:44 BRT
 

Por Pedro Fonseca

JOHANESBURGO (Reuters) - Felipe Melo e Kaká se abraçaram e acenaram juntos para os jornalistas durante o treino desta segunda-feira da seleção brasileira, numa tentativa de pôr fim a uma polêmica envolvendo os dois que levou o meio-campista da Juventus a ameaçar processar um jornalista.

A confusão teve início no treino de sexta-feira, após Kaká levar uma entrada por trás de Robinho. Quando Felipe Melo, que estava perto do lance, aproximou-se para cumprimentar o meia do Real Madrid, que se recusou a cumprimentar o companheiro e lhe deu as costas.

Nesta segunda-feira, os dois selaram as pazes em público após uma outra falta sofrida por Kaká, dessa vez cometida por Daniel Alves. Felipe Melo caminhou na direção do meia para abraçar o companheiro, e os dois viraram juntos para a imprensa e acenaram.

Na entrevista coletiva antes do treino, Felipe Melo ameaçou processar um jornalista brasileiro que, segundo o jogador, escreveu "uma mentira" ao dizer que ele e Kaká tinham se desentendido após uma falta cometida pelo volante.

Segundo Felipe Melo, a "falsa notícia" teve uma repercussão negativa muito grande na imprensa italiana.

"Aquele senhor fez o favor de colocar aquela matéria no ar. É difícil a gente ver um jornalista escrever uma mentira dessa", disse ele, apontando para o repórter durante a entrevista coletiva.

"Quando chega na Itália, onde as pessoas já gostam de sacanear, isso é uma coisa ruim. Na verdade, é porque nós estamos todos focados em ganhar a Copa do Mundo, mas isso caberia até um processo", acrescentou.

 
<p>Felipe Melo (esq.) e Kak&aacute; da sele&ccedil;&atilde;o brasileira acenam para os f&atilde;s durante treino em Johanesburgo. Os dois se abra&ccedil;aram e acenaram juntos para os jornalistas durante o treino desta segunda-feira, numa tentativa de p&ocirc;r fim a uma pol&ecirc;mica envolvendo os dois que levou o meio-campista da Juventus a amea&ccedil;ar processar um jornalista. 31/05/2010 REUTERS/Paulo Whitaker</p>