Anistia diz que polícia na África do Sul usa Copa para abusos

sábado, 5 de junho de 2010 16:12 BRT
 

JOHANNESBURGO (Reuters) - A polícia sul-africana está utilizando as regras e regulamentos da Copa do Mundo para perseguir os sem-teto, os imigrantes estrangeiros e vendedores ambulantes do país até o final deste mês, disse a Anistia Internacional.

"Esse abuso inclui abusos policiais, detenções arbitrárias, maus-tratos e extorsão, assim como a destruição da habitação informal", disse em comunicado o grupo de direitos humanos baseado em Londres.

Em particular, mendigos e vendedores de rua estavam sendo expulsos de "locais de acesso controlado" e zonas de exclusão nas sedes da Copa do Mundo por exigência da Fifa, disse a Anistia.

"As exigências da FIFA no âmbito do "estatuto" criam zonas de exclusão para a extensa atividade econômica informal e é visto como particularmente prejudicial", disse a Anistia.

O porta-voz da Polícia Vish Naidoo defendeu a ação da polícia e das autoridades locais, dizendo que a Anistia estaria tentando vincular a Copa do Mundo a um problema perene na África do Sul, onde milhões de habitantes vivem na pobreza e em favelas.

"Só porque a Copa do Mundo está para acontecer, devemos ignorar as leis e regulamentos que estão sendo quebrados?" disse ele.

A Anistia também afirmou que a implantação de um grande número de policiais nos locais da Copa do Mundo significaria poucos oficiais nos bairros mais pobres, onde ocorre a maior parte dos elevados números de criminalidade da África do Sul.

Ele acrescentou que estava preocupado em como a polícia iniciaria seu objetivo de proteger os 350 mil visitantes estrangeiros que são esperados para o torneio de um mês de duração que começa em 11 de junho.

Segurança e crime têm sido um dos maiores problemas enfrentado pelos organizadores da primeira Copa do Mundo em solo africano. A África do Sul tem 50 assassinatos por dia, quase a mesma taxa que os Estados Unidos, que tem seis vezes mais habitantes.