Guardas de estádio de Durban são pagos, polícia assume segurança

terça-feira, 15 de junho de 2010 12:16 BRT
 

Por David Clarke

DURBAN (Reuters) - Cerca de dois mil guardas, observados de perto por policiais da tropa de choque, entregaram seus uniformes e receberam o pagamento do lado de fora do estádio Moses Mabhida nesta terça-feira, dois dias depois de cenas violentas terem acontecido no estádio que recebe jogos da Copa do Mundo.

A polícia usou gás lacrimogêneo e balas de borracha para dispersar centenas de guardas que protestavam, descontentes com o salário que recebiam, após a vitória por 4 x 0 da Alemanha sobre a Austrália no domingo.

Nesta terça-feira, funcionários de segurança foram escoltados pelos policiais do choque, enquanto faziam fila para entregar suas credenciais da Copa do Mundo e coletes laranja, recebendo em troca envelopes marrons contendo o pagamento de um dia.

Um homem balançou o envelope com 205 rands (27,68 dólares) dentro e gritou "migalhas, migalhas, migalhas".

"Eles simplesmente nos disseram que nosso trabalho será agora feito pela polícia", disse Zanele Mcineka, uma mulher que trabalhava como segurança no estádio.

"Assinamos um contrato por três meses. Quero uma resposta direta sobre se nossos empregos ainda estão aqui."

Os organizadores anunciaram na segunda-feira que a polícia passará a cuidar da segurança nos estádios da Cidade do Cabo e de Durban até segunda ordem após greve de outros guardas empregados pela empresa Stallion.

Alguns ex-funcionários, que não tinham os documentos corretos, foram retirados pela tropa de choque, que estava com um canhão d'água de prontidão.

"Não estamos lutando com a polícia, estamos lutando por nossos direitos", disse Thamsanqa Mapumulo, enquanto era retirado do local.

A Espanha enfrenta a Suíça na segunda partida da Copa do Mundo a ser realizada no estádio Moses Mabhida, que tem capacidade para 62.760 pessoas, na quarta-feira.

 
<p>Pol&iacute;cia sul-africana assume seguran&ccedil;a em Durban. REUTERS/Rogan Ward</p>