Brasil aposta em Costa do Marfim mais aberta; cogita 3 atacantes

quinta-feira, 17 de junho de 2010 10:09 BRT
 

Por Pedro Fonseca

JOHANESBURGO (Reuters) - Depois de reclamarem bastante da retranca norte-coreana, os jogadores da seleção brasileira acreditam que terão mais espaço para jogar na partida de domingo contra a Costa do Marfim, e a tática com três atacantes utilizada no segundo tempo da estreia pode entrar em campo novamente.

Ao contrário da Coreia do Norte, apenas a 105a seleção do ranking mundial e que entrou em campo para se defender, inclusive levando o 0 x 0 até o intervalo, a Costa do Marfim tem um estilo de jogo mais ofensivo, com a dupla de atacantes do Chelsea Didier Drogba e Salomon Kalou como destaque.

A seleção brasileira, que sob o comando do técnico Dunga tornou-se um time especialista em contra-ataques mas que repetidas vezes teve problemas para vencer adversários retrancados, espera conseguir aproveitar-se de eventuais espaços abertos pelo time africano.

"Ainda não sabemos a escalação da Costa do Marfim, mas acho que eles não vão jogar marcando tanto como jogou a Coreia", disse nesta quinta-feira o atacante Robinho a jornalistas, antes do treino da seleção na Randburg High School. "A tendência do nosso time é melhorar."

Em sua estreia no Mundial, na terça-feira, o Brasil teve bastante dificuldade para romper a bem armada defesa da seleção norte-coreana, que disputa um Mundial pela primeira vez desde 1996. A seleção só abriu o marcador 10 minutos depois do intervalo, graças a um chute perfeito do lateral Maicon, que colocou a bola na lateral da rede praticamente sem ângulo.

Contra a Costa do Marfim, considerado o time africano com mais chances de uma boa campanha na Copa da África do Sul, os jogadores brasileiros acreditam que os espaços vão surgir à medida que o adversário vai buscar a classificação para as oitavas-de-final.

"Os jogadores que jogam ali estão nos maiores clubes do mundo, sem dúvida nenhuma vão buscar a classificação", disse o atacante Nilmar sobre os chamados "elefantes", que estão espalhados por times como Barcelona, Arsenal, Manchester City e Mônaco.

Se realmente encontrar espaço para atacar, o técnico Dunga pode optar por repetir em parte do jogo de domingo a formação com três atacantes que experimentou na etapa final contra a Coreia do Norte.   Continuação...

 
<p>Didier Drogba da Costa do Marfim, (dir) passa pelo portugu&ecirc;s Pedro Mendes durante jogo do Grupo G. A sele&ccedil;&atilde;o brasileira acredita que ter&aacute; mais espa&ccedil;o para jogar na partida de domingo contra a Costa do Marfim, ap&oacute;s enfrentar a Coreia do Norte mais fechada. 15/06/2010 REUTERS/Denis Balibouse</p>