Liedson espera voltar a marcar gols para ajudar Portugal

sexta-feira, 18 de junho de 2010 13:29 BRT
 

Por Shrikesh Laxmidas

MAGALIESBURG, África do Sul (Reuters) - Dos dias em que abastecia prateleiras de supermercado no Brasil à atuação na seleção portuguesa na Copa do Mundo, a jornada do atacante Liedson é repleta de gols onde quer que ele vá.

Pouco mais de dez anos atrás, Liedson jogava futebol para relaxar da rotina de trabalho quando foi descoberto por um empresário, que o convidou a se unir ao time de sua empresa na Bahia.

Provando que sua magreza não significava escassez de gols, o atacante subiu rápido, jogando no Flamengo e no Corinthians até ir para o Sporting de Portugal em 2003.

Liedson é um artilheiro natural, capaz de disputar bolas incansavelmente e se livrar da marcação e dono de um toque hábil para decidir jogos marcando gols, como dizem sempre os torcedores do Sporting.

Esses atributos o ajudaram a marcar 160 gols em sete temporadas no time lusitano.

"Tenho que correr, porque sou magro e isso é uma desvantagem em termos de contato físico, por isso tenho que escapar da marcação e buscar espaço", disse ele aos repórteres na sexta-feira.

Quando Portugal lutava para encontrar o gol nas eliminatórias da Copa do Mundo, o técnico Queiroz optou em chamar Liedson, que acabava de adquirir a cidadania portuguesa, para resolver o problema.

O jogador de 32 anos estreou com um gol contra a Dinamarca, salvando o time com um empate de 1 x 1 que se mostrou vital, e acrescentou mais dois para ajudar seu time a garantir a classificação para o Mundial.

Desde então ele se apagou, mas foi visto perseguindo os zagueiros da Costa do Marfim no empate sem gols de terça-feira e criando uma oportunidade do nada.

"Os gols virão naturalmente", disse Liedson, acrescentando esperar que isso aconteça na próxima partida de Portugal contra a Coreia do Norte na segunda-feira.

 
<p>Liedson de Portugal durante coletiva de imprensa em Magaliesburgo. O jogador disse que "Os gols vir&atilde;o naturalmente", acrescentando esperar que isso aconte&ccedil;a na pr&oacute;xima partida de Portugal contra a Coreia do Norte na segunda-feira. 18/06/2010 REUTERS/Jose Manuel Ribeiro</p>