Brasil questiona, mas Fifa autoriza proteção de Drogba

sábado, 19 de junho de 2010 18:06 BRT
 

Por Pedro Fonseca

JOHANESBURGO (Reuters) - A comissão técnica da seleção brasileira questionou neste sábado a proteção de braço utilizada pelo atacante da Costa do Marfim Didier Drogba, mas a Fifa autorizou o jogador a entrar em campo com a peça na partida de domingo entre os dois times.

O médico do Brasil, José Luis Runco, levantou a possibilidade de o objeto conter algum componente de metal, o que é proibido pela Fifa, mas a federação internacional liberou Drogba a utilizar o protetor, que é feito totalmente de plástico.

"A Fifa autorizou, mas o árbitro vai verificar antes do jogo", disse por telefone o chefe de comunicação da seleção brasileira, Rodrigo Paiva, após uma reunião entre integrantes das duas equipes e da Fifa na qual foi avaliada a proteção.

Drogba, capitão e principal nome da seleção marfinense, sofreu uma fratura no braço num amistoso com o Japão dias antes do início da Copa do Mundo da África do Sul, mas, graças a uma cirurgia e ao protetor especial, pôde jogar parte da partida de estreia dos marfinenses, o empate por 0 x 0 com Portugal, na terça-feira.

Drogba pôde enfrentar Portugal após ter recebido autorização do árbitro daquele jogo, o uruguaio Jorge Larrionda, e da delegação portuguesa para utilizar a proteção no braço direito.

O atacante não foi o primeiro a disputar uma Copa do Mundo com esse tipo de proteção. Na Copa do Mundo de 1986, no México, o inglês Gary Lineker terminou como artilheiro da competição com um protetor semelhante, e o holandês Rene van der Kerkhof também jogou com proteção na Copa de 1978.

O técnico da seleção da Costa do Marfim, o sueco Sven-Goran Eriksson, afirmou neste sábado que Drogba deve ser inclusive titular contra o Brasil na partida de domingo, no estádio Soccer City, em Johanesburgo.

"Vamos decidir amanhã, mas acho que ele estará pronto para jogar 90 minutos", disse Eriksson em entrevista coletiva no Soccer City.   Continuação...

 
<p>&Aacute;rbitro Jorge Larrionda, do Uruguai, checa o bra&ccedil;o do atacante Didier Drogba, da Costa do Marfim, antes do jogador entrar em campo em 15 de junho. REUTERS/Denis Balibouse</p>