Itália teoriza sobre girafas da Nova Zelândia

sábado, 19 de junho de 2010 19:26 BRT
 

Por Mark Meadows

NELSPRUIT, África do Sul (Reuters) - Encarando a cobertura do estádio e seus suporte em forma de girafas, o técnico da Itália Marcelo Lippi lembrou do complexo de altura que vem surgindo na concentração de sua equipe antes do embate de domingo contra a Nova Zelândia.

O abismo de qualidade entre os campeões mundiais e a seleção 78a colocada no ranking da Fifa na partida pelo Grupo F na peculiar arquitetura do estádio de Nelspruit poderia ser óbvio, mas a Itália está levando ao extremo sua usual cautela.

"Indubitavelmente, do ponto de vista técnico, nós não deveríamos temê-los, mas nós temos que tomar cuidado com eles no aspecto físico e na habilidade no cabeceio, pois eles são muito altos", disse Lippi na coletiva de imprensa no sábado.

"É um jogo no qual temos de prestar atenção nas bolas paradas. Quanto mais mantê-los longe da nossa área, melhor."

O capitão italiano Fabio Cannavaro, muito mais baixo do que a média para um zagueiro central, foi pego pela cabeçada de Antolin Alcaraz no empate em 1 x 1 com o Paraguai na estreia e todos os jogadores italianos falaram sobre isso nesta semana sobre a altura dos jogadores da Nova Zelândia.

Os torcedores da Azzurra provavelmente estarão focados em como o baixo poder de fogo de seus atacantes irá romper a barreira neozelandesa, mas a confiança é tão frágil que a força na defesa é palavra de ordem.

O meio-campista Andrea Pirlo, que ficou de fora da partida com o Paraguai, novamente desfalcará a equipe por causa de uma lesão na panturrilha, mas poderá estar apto para a última partida da primeira fase contra a Eslováquia na quinta-feira.

"Ele está melhorando dia após dia. A partir de segunda-feira ele vai treinar com o grupo, mas não sei com que intensidade irá fazê-lo", disse Lippi.   Continuação...