Toque de mão deixou gol mas bonito, diz Luís Fabiano

domingo, 20 de junho de 2010 20:37 BRT
 

Por Pedro Fonseca

JOHANESBURGO (Reuters) - Dois lençóis seguidos e uma finalização perfeita já seriam suficientes para garantir a Luís Fabiano um dos gols mais bonitos da Copa do Mundo, mas o atacante da seleção brasileira disse que um toque com a mão no início do lance tornou a jogada ainda melhor.

Autor de dois gols na vitória do Brasil por 3 x 1 sobre a Costa do Marfim neste domingo, o jogador reconheceu que a bola bateu em sua mão, mas disse que o lance não foi intencional, e elegeu o seu gol como um dos mais bonitos do Mundial da África do Sul.

"Foi uma mão involuntária. Para ficar mais bonito, o gol tinha que ter um toque duvidoso", disse após a partida o atacante, que foi eleito pela Fifa o melhor jogador em campo, após ter balançado as redes uma vez em cada tempo.

"Foi um dos gols mais bonitos da minha carreira e da Copa do Mundo também. Vale mais falar desse golaço do que do toque de mão, que não teve a intenção", acrescentou o jogador, que vinha num jejum de seis jogos sem marcar gol pelo Brasil, desde setembro de 2009.

Luís Fabiano disse que após a partida o árbitro francês Stephane Lannoy foi conversar com ele sobre o lance do gol, mas contou que não entendeu o que o juiz disse porque falou em francês. De acordo com o brasileiro, houve toque de mão apenas no primeiro lance, apesar de imagens de televisão terem mostrado ele ajeitando a bola com o braço antes de aplicar o segundo drible.

O atacante, que foi criticado pela atuação apagada na estreia do Brasil na Copa -- a vitória por 2 x 1 sobre a Coreia do Norte na terça-feira -- comemorou ter reencontrado o caminho do gol.

"Esse jogo era muito importante para mim e acabei ajudando a seleção com gols", disse o atacante. "O jogo foi muito difícil, muito pegado, um adversário complicado, mas o Brasil soube jogar da sua maneira, dominou desde o começo."

(Edição de Tatiana Ramil)

 
<p>Lu&iacute;s Fabiano ajeita a bola com o bra&ccedil;o antes de marcar o segundo gol do Brasil contra a Costa do Marfim. REUTERS/Paulo Whitaker</p>