França volta a treinar após expulsão e boicote de jogadores

segunda-feira, 21 de junho de 2010 11:56 BRT
 

Por Patrick Vignal

BLOEMFONTEIN (Reuters) - A problemática seleção da França voltou a treinar nesta segunda-feira em preparação para sua última partida pelo Grupo A da Copa do Mundo contra a África do Sul, um dia depois de boicotar uma sessão de treinos em apoio ao atacante Nicolas Anelka, expulso do grupo na véspera.

Todos os jogadores franceses foram para o campo na concentração em Knysna e se prepararam normalmente para seu treino final antes da partida de terça-feira.

Foi solicitado aos repórteres que se retirassem após 15 minutos, mas um porta-voz da equipe disse que a sessão transcorreu como de praxe.

"Todos estavam lá", afirmou.

Isso incluiu o preparador físico Robert Duverne, que teve uma discussão acalorada com o capitão Patrice Evra no domingo depois de saber que os jogadores não iriam treinar.

Evra e seus companheiros protestavam contra a decisão da Federação Francesa de Futebol (FFF) de expulsar Anelka da seleção depois de seus insultos ao técnico Raymond Domenech no intervalo da derrota de 2 x 0 para o México na semana passada.

Outro acontecimento dramático do domingo foi a declaração do diretor de equipe Jean-Louis Valentin de que iria se demitir por conta do que classificou como um escândalo.

A crise levou o presidente Nicolas Sarkozy a intervir e pedir à ministra dos esportes Roselyne Bachelot a prolongar sua estadia na África do Sul e conversar com Evra, Domenech e o presidente da FFF, Jean-Pierre Escalettes, nesta segunda-feira.

 
<p>Preparador f&iacute;sico da sele&ccedil;&atilde;o francesa, Robert Duverne, o capita&otilde; Patrice Evra (centro) e Frank Ribery, durante sess&atilde;o de treino em Knysna. A sele&ccedil;&atilde;o voltou a treinar um dia depois de um boicote em apoio ao atacante Nicolas Anelka. 21/06/2010 REUTERS/Toru Hanai</p>