Contra arbitragem "muito severa", Kaká promete se policiar

terça-feira, 22 de junho de 2010 11:30 BRT
 

Por Pedro Fonseca

JOHANESBURGO (Reuters) - O meia Kaká acusou nesta terça-feira a arbitragem da Copa do Mundo de ser rigorosa demais, e prometeu controlar seus ânimos dentro de campo para evitar um segundo cartão vermelho, depois a expulsão no jogo de domingo contra a Costa do Marfim.

O jogador levou dois cartões amarelos no espaço de três minutos no final da vitória de 3 x 1 sobre os marfinenses, por dois lances sem bola com Kader Keita. Essa foi a terceira expulsão da carreira do jogador, de 28 anos, e apenas a primeira pela seleção.

Visivelmente irritado com a marcação adversária, Kaká primeiro empurrou Keita, e depois aparentemente acertou com o cotovelo o peito do rival, que caiu no gramado levando às mãos ao rosto como se tivesse sido atingido no local.

"Não aconteceu nada demais, foi uma jogada normal que acontece em todo jogo, e infelizmente uma simulação. Se eu tivesse sido irresponsável eu pedira desculpas aqui e ao grupo, mas foi um jogo normal", afirmou o jogador a jornalistas.

"Daqui para frente vou me policiar um pouco mais dentro de campo, até porque a gente tem visto que a arbitragem tem sido muito severa. Cabe a mim me policiar mais um pouco, mesmo acreditando que tanto a expulsão como o primeiro cartão não seriam necessários."

Kaká negou que estivesse nervoso ou irritado dentro de campo, numa partida com os ânimos acirrados em que foram cometidas 40 faltas --17 do Brasil e 23 da Costa do Marfim-- e os jogadores se desentenderam seguidas vezes. Segundo ele, o andamento do jogo exigiu uma posição firme dos brasileiros diante do comportamento dos adversários.

"Ninguém tem sangue de barata, vocês puderam ver o que aconteceu em campo. Vocês nunca vão ver a seleção brasileira violenta, mas também nunca vão ver a seleção retroceder numa dividida", disse.

"Irritação se eu tivesse dado uma porrada em alguém. Levantar e discutir já aconteceu em vários ouros jogos, e vai continuar acontecendo", acrescentou o jogador, que deu passes para dois gols do Brasil, deixando para trás preocupações sobre sua forma física.

Com a expulsão, Kaká está suspenso da partida de sexta-feira contra Portugal, que vai decidir o vencedor do Grupo G. O jogador afirmou que até um adversário foi solidário a respeito do cartão vermelho.

"Falo com Cristiano com frequência. A última coisa que ele me falou foi que a expulsão foi injusta", disse o brasileiro, referindo-se ao capitão português Cristiano Ronaldo, seu companheiro de clube no Real Madrid.

 
<p>O meia Kak&aacute; em coletiva de imprensa em Johanesburgo, 22 de junho de 2010. Kak&aacute; acusou nesta ter&ccedil;a-feira a arbitragem da Copa do Mundo de ser rigorosa demais, e prometeu controlar seus &acirc;nimos dentro de campo para evitar um segundo cart&atilde;o vermelho, depois a expuls&atilde;o no jogo de domingo contra a Costa do Marfim. REUTERS/Paulo Whitaker</p>