23 de Junho de 2010 / às 13:20 / 7 anos atrás

Eliminação da Grécia deve acabar com reinado de Rehhagel

Por Mike Collett

POLOKWANE (Reuters) - Fora da segunda fase da Copa do Mundo, a Grécia deve acabar com o longo e em geral bem sucedido reinado do técnico alemão Otto Rehhagel, que ficou nove anos à frente da seleção do país.

Ainda que ele tenha se recusado a comentar sobre o seu futuro imediato após a derrota por 2 x 0 contra a Argentina no grupo B na terça-feira, que selou o destino da equipe, o resultado ruim é provavelmente o final do caminho para o técnico de 71 anos e para vários dos antigos titulares da equipe, os sobreviventes de uma seleção que foi a surpreendente campeã da Eurocopa em 2004 em Portugal, seis anos atrás.

A Grécia sempre foi considerada a zebra para se classificar para a segunda fase, mas o time poderia ter surpreendido muitos se optasse por um estilo mais ofensivo contra uma relaxada Argentina que, garantida na segunda fase e por escolha do técnico Diego Maradona, teve vários jogadores importantes poupados.

O progresso da Grécia dependeria do resultado da outra partida do grupo entre Nigéria e Coréia do Sul em Durban. Como a partida terminou em 2 x 2, a Grécia poderia ter terminado em segundo do grupo se vencesse a partida.

No entanto, Rehhagel, famoso por ser um dos técnicos retranqueiros mais bem sucedidos dos últimos tempos, optou novamente por um sistema completamente defensivo quando o ataque seria a única coisa que poderia salvar o time.

Após nove anos e 106 partidas sob o comando de Rehhagel, o tempo começa a dar sinais. Ele é o técnico da Grécia com melhores resultados na história, também aquele com mais tempo à frente do selecionado, mas o seu futuro é incerto.

O seu sucesso com a zebra europeia transformou o alemão em uma figura muito amada na Grécia, mas conseguiu muitos oponentes agressivos com o seu estilo teimoso de treinar e os jogadores que escolhe para a seleção.

Ao lado de Rehhagel, vários jogadores famosos do time também devem analisar o seu futuro na seleção, incluindo o capitão Giorgos Karagounis. A sua presença dominante no campo foi crucial para a classificação da Grécia para a Copa na África do Sul, mas, com seus 33 anos, ele não consegue render em campo se jogar mais do que meio tempo.

Como Kostas Katsouranis e Giourkas Seitaridis também devem se juntar ao capitão do time, a era dos jogadores que venceram a Eurocopa de 2004 em Portugal deve chegar a um final nos campos.

Com diversos jovens jogadores em times europeus importantes como Socratis Papastathopoulos, Vangelis Moras, Nikos Spyropoulos e Sotiris Ninis, a Grécia vai tentar construir seu futuro baseada na capacidade de classificação para os torneios mais importantes.

"Nós demos o nosso melhor contra este grande time da Argentina. Demos 200 por cento, mas a Argentina é simplesmente melhor", disse o zagueiro Papastathopoulos, que deve ter um papel importante na era pós-Rehhagel.

"Nós não viemos como um dos times principais, mas ainda conseguimos vencer a Nigéria, marcar dois gols e, espero, demos algo para os nossos torcedores comemorarem. Todos nós ganhamos muito com essa Copa do Mundo."

Reportagem adicional de Karolos Grohmann

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below