24 de Junho de 2010 / às 14:38 / 7 anos atrás

Ex-presidente Clinton exalta seleção e quer outra Copa nos EUA

<p>Ex-presidente dos Eua Bill Clinton (esq) e o presidente da Fifa, Sepp Blatter, assiste ao jogo entre Estados Unidos e Alg&eacute;ria. 23/06/2010Alessandro Bianchi</p>

Por Jon Herskovitz

JOHANESBURGO (Reuters) - O ex-presidente norte-americano Bill Clinton, conhecido por sua eloquência e diplomacia, se viu torcendo como qualquer outro torcedor quando os EUA marcaram um dramático gol de última hora contra a Argélia e garantiram uma vaga nas oitavas de final da Copa do Mundo.

Clinton assistia à partida com dignitários no estádio de Pretória quando Landon Donovan marcou o único gol dos EUA já nos acréscimos do segundo tempo.

"Perdi minha voz ontem (quarta-feira). Fui muito diplomático até marcarmos", disse Clinton em entrevista com uma mesa redonda de jornalistas nesta quinta-feira.

"Quando a bendita entrou no gol, eu disse 'Graças a Deus pelos acréscimos'", acrescentou.

"Tanto os Estados Unidos quanto a Argéliia jogaram com as mentes e os corações no lugar certo".

Clinton foi ao vestiário da seleção norte-americana depois da partida, onde disse que alguns jogadores o convidaram para ficar para uma cerveja, ou duas.

"Não paravam de falar sobre como jogaram como equipe".

O ex-presidente, que foi apresentado ao futebol quando foi à Inglaterra no final dos anos 1960, ficou impressionado com a maneira pela qual o time dos EUA superou as adversidades, incluindo dois gols anulados.

Ele pretende assistir ao próximo jogo de sua seleção contra Gana em Rustemburgo no sábado.

Clinton disse que, se por um lado as potências do futebol não veem os Estados Unidos em seu nível, existe um respeito ressentido pelos aguerridos norte-americanos.

"Argentina e Brasil nos acham melhores nisso do que somos", disse ele. "Há outros que vêm fazendo isso há mais tempo. Tudo bem. Acho que acreditam que estamos nisso a sério agora".

Presidente dos EUA quando o país sediou a Copa de 1994, Clinton está na África do Sul fazendo campanha para levar o torneio de volta ao país, onde disse que todas as seleções podem encontrar uma torcida local entre as várias etnias que vivem no território norte-americano.

"Seria muito bom para os EUA se conseguíssemos, e acho que seria bom para o futebol mundial também".

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below